JF Diório/AE
JF Diório/AE

Palmeiras busca a glória perdida na decisão da Copa do Brasil

Com a vantagem, time paulista pode ser campeão depois de 12 anos sem um título nacional

Daniel Batista e Daniel Akstein Batista - Enviados especiais, O Estado de S.Paulo

11 de julho de 2012 | 03h04

CURITIBA - Foram anos e anos de sofrimento, vergonha e só os torcedores mais apaixonados conseguiam ainda falar com orgulho que torciam pelo Palmeiras. Os rivais cansaram de tripudiar, mas no fim da noite desta quarta-feira tudo isso pode mudar. O Palmeiras enfrenta o Coritiba, às 21h50, no Couto Pereira, com a possibilidade de voltar a gritar "é campeão!" com a conquista da Copa do Brasil. O que está em jogo em Curitiba não é apenas mais uma taça para a vasta coleção alviverde, mas, sim, o resgate do orgulho palmeirense e a volta de um gigante ao topo do futebol brasileiro.

Nunca nos últimos 12 anos o Palmeiras esteve tão próximo de voltar a conquistar um título de expressão nacional. A última foi a extinta Copa dos Campeões de 2000 e, no ano anterior, a Libertadores. De lá para cá levou o Paulistão de 2008 e nada mais.

É verdade que o Palmeiras já ganhou títulos até mais importantes do que a Copa do Brasil, mas poucas vezes se viu um time tão sedento por uma taça. Para muitos atletas, é o primeiro importante da carreira. É unânime, inclusive entre os jogadores, que o elenco palmeirense não prima pela qualidade técnica, mas compensa com muita dedicação e raça. Talvez esse seja o motivo de tanta confiança.

Mas, como se tornou hábito para o clube, chegar à decisão e enfrentar o Coritiba hoje não será nada fácil. Vários são os desfalques. O artilheiro Barcos está fora. Valdivia, o maestro, também. O atacante se recupera de uma cirurgia de apendicite e o meia está suspenso pela expulsão no primeiro jogo. Maikon Leite, uma boa e útil opção no banco, melhorou de segunda para terça-feira e passou a constar na lista dos relacionados. Quanto a Luan, Felipão pensou em levá-lo para o jogo, mas em cima da hora mudou de ideia pelo fato dele estar sem ritmo.

Fica a expectativa também para saber quem será o herói da conquista. Sem Barcos e Valdivia, Marcos Assunção e Daniel Carvalho aparecem como favoritos. A velocidade de Mazinho e o bom cabeceio de Thiago Heleno e Henrique também podem garantir a conquista. Ou até mesmo Bruno pode se consagrar como substituto de Marcos, fechar o gol em Curitiba e voltar nos braços da torcida para São Paulo.

BOA VANTAGEM 

Como venceu o primeiro jogo por 2 a 0, na Arena Barueri, o Palmeiras pode até perder por um gol que será campeão. Se perder por 2 a 0 a decisão vai para os pênaltis e, se marcar um gol, obriga o adversário a fazer pelo menos quatro.

Do outro lado está um time que também tem sua história e não chega morto para o segundo jogo. A goleada do Coritiba por 6 a 0 no ano passado não é esquecida por nenhum dos dois times. "Já perdemos uma vez feio para eles. Então isso mostra que ainda não tem nada ganho, não", avisou Daniel Carvalho, substituto de Valdivia.

O Coritiba nem se apega à goleada do ano passado para manter a confiança no título, que parece difícil, mas não impossível, de acordo com todos do grupo. Se em 2011 a conquista quase veio (perdeu a final para o Vasco), agora o time paranaense aposta numa reviravolta para fazer a festa em casa. Todos os 38 mil ingressos foram vendidos - apenas 5,5 mil foram destinados aos palmeirenses.

O zagueiro Emerson, suspenso, é o único desfalque do Coritiba, que promete partir para cima desde os primeiros minutos do jogo e vai abusar da velocidade para conseguir o sonhado título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.