Palmeiras, consistente, encosta no Santos

Time bate o Paulista por 3 a 1, no Pacaembu, e só fica atrás do rival da Vila no saldo de gols. Marcos volta e faz bom jogo

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2011 | 00h00

Na volta do goleiro Marcos, o Palmeiras encostou na liderança do Estadual. Com a vitória por 3 a 1 sobre o Paulista, gols de Marcos Assunção, Kleber e Patrik, o time chegou aos mesmos 10 pontos do Santos, mas fica na segunda colocação por ter menor saldo de gols (8 a 6).

A expectativa ontem no Pacaembu era mesmo com Marcos. Luiz Felipe Scolari eliminou a primeira dúvida do torcedor e escalou o goleiro como titular. A segunda era como ele iria se portar. E, nos poucos lances em que foi exigido, o camisa 12 mostrou todo seu potencial.

O Paulista queria manter uma invencibilidade de 11 partidas fora de casa (está com 7 pontos no Estadual) e até começou bem. Aos 6 minutos, Rone Dias arriscou de longe e Marcos espalmou. Mas depois o goleiro alviverde pouco trabalhou e ainda fez graça quando Baiano tentou o encobrir, num chute de longa distância: em vez de agarrar a bola com as mãos, preferiu "matá-la" no peito. "Do meio de campo não né!", brincou sobre o lance.

Marcos pareceu não sentir os quase cinco meses longe do gramado, desde que lesionou o joelho esquerdo no Campeonato Brasileiro. Mas, para quem ainda tinha esperanças que o goleiro pudesse prorrogar o contrato que encerra em dezembro, Felipão tratou de esfriar o assunto. "Provavelmente é seu último ano, por causa das lesões", falou.

Se Marcos passou bem pelo seu primeiro jogo em 2011, o seu xará também fez o seu primeiro gol na temporada. E como é de seu feitio. Aos 19 minutos, Marcos Assunção cobrou falta com qualidade para fazer 1 a 0. A noite, porém, não foi só de festa para o volante, que com dores na coxa direita teve de sair antes do intervalo e deve desfalcar o time contra o Portuguesa, domingo, no Canindé.

Daqui a dois dias, o Palmeiras vai continuar sem Valdivia, que ainda não está 100% fisicamente. Lincoln, também machucado, segue fora. A falta de um habilidoso meia é um dos principais problemas da equipe. Sem ele, os jogadores se revezam na armação das jogadas. E foi com Luan que se iniciou o lance do segundo gol. Ele tocou para Rivaldo na esquerda, que achou Kleber na área: 2 a 0 aos 43 minutos.

O Paulista voltou mais ofensivo na etapa final, contra um Palmeiras desordenado. Mas novamente faltou chutes ao visitante - Baiano arriscou para fora e Felipe Pinto, na melhor chance, percebeu que precisa ser mais certeiro para vencer Marcos, que fez bela defesa na única vez em que realmente foi exigido. Ele só não esperava que Maurício Ramos jogasse contra aos 35 minutos, após chute de Rone Dias que bateu no zagueiro e foi para o fundo das redes. "Pedi desculpas pro Marcos", disse Maurício Ramos.

Apesar do gol, o Palmeiras já havia obtido uma vantagem maior. Aos 21, Patrick recebeu de Cicinho, deu um rápido drible no adversário e chutou certeiro no canto direito de Cristiano. "Fico feliz por ter vencido na minha volta", disse Marcos. "O importante é que estamos lá na frente."

Ainda ontem, Grêmio Prudente e Botafogo ficaram no 1 a 1.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.