Palmeiras deu tudo o que podia, diz Felipão

Enquanto os jogadores do Fluminense saíram de campo constrangidos, tentando explicar a apatia do adversário, mas ao mesmo tempo sem desmerecer a própria vitória, no lado do Palmeiras Luiz Felipe Scolari se esforçava para justificar a aparente falta de motivação de alguns de seus principais jogadores.

, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2010 | 00h00

"Fomos surpreendidos logo no começo do jogo com aquele gol. Porém, desmotivados como eles estavam, é natural que eles caíssem de rendimento e foi isso o que aconteceu, e, assim, nós conseguimos virar o placar", resumiu Ricardo Berna.

Felipão, por sua vez, tentou contornar o clima de desconfiança que ficou sobre seu time. O treinador elogiou, por exemplo, a atuação dos principais jogadores, Kleber e Marcos Assunção.

"Foi dentro daquilo que a gente pediu. O Kleber tinha que voltar mais, essa era a orientação. Era o Dinei que tinha que entrar mais, por isso ele não brigou. E o Marcos Assunção levou uma pancada na canela e está aberto um rasgão, aí tem que sair de campo mesmo. Estão falando só porque ele errou uma falta? E nos outros jogos ele não erra?"

Espírito alviverde. O técnico usou o exemplo de Deola para dizer que o Palmeiras deu tudo o que podia na partida. A cada defesa do goleiro (as difíceis ou as mais comuns), uma enxurrada de xingamentos vinha da arquibancada atrás do gol onde ele atuava no primeiro tempo.

"O Deola pode ter saído magoado com a torcida, que o xingou muito. Mas com certeza saiu com seu conceito muito maior perante todo o restante do País." O goleiro deixou a Arena Barueri protegido por cinco seguranças do Palmeiras, que o escoltaram até o estacionamento.

Felipão justificou sua própria aparente apatia dizendo que não levantou do banco de reservas, mas gritou com o time: "Quem estava ali no túnel ouviu." E também chegou a dizer que na Arena Barueri não havia torcedor do Palmeiras. A aglomeração alviverde não chegou a atingir os mil integrantes. Eles fizeram muito barulho e mostraram toda a sua raiva com o time, ainda causada pela eliminação na Copa Sul-Americana.

"Eu peço desculpas à verdadeira torcida do Palmeiras pelo que fizemos na quarta-feira, mas não para quem esteve nesta partida. Aqui só tinha torcedor do Fluminense", afirmou Felipão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.