Palmeiras embala, vence a 4ª seguida e luta pela liderança

Vítima é a Portuguesa no Canindé. Cicinho faz golaço e Kléber define o jogo, que mantém time colado no líder Santos

Marcon Beraldo, O Estado de S.Paulo

31 de janeiro de 2011 | 00h00

Mais uma vez o Palmeiras teve paciência e competência para definir um jogo em seus minutos finais. A equipe alviverde não fez bom primeiro tempo, sofreu pressão da Portuguesa no começo da segunda etapa, mas, em dois lances felizes, de Cicinho e Kleber, marcou os gols que definiram a quarta vitória seguida, por 2 a 0, ontem, no Canindé.

Com outro bom resultado, o Palmeiras segue na perseguição ao líder do Paulista, o Santos, com 13 pontos, só perdendo do concorrente no saldo de gols. A Lusa, que sonhava com um lugar no G-8, segue com 6 pontos e fora dele.

Depois do clássico, que teve vários lances ríspidos, o atacante Kléber minimizou o confronto com o zagueiro Domingos. Ambos levaram cartão amarelo e o do palmeirense foi o terceiro: está fora do jogo contra o Mirassol, na quarta-feira. "O Domingos é assim mesmo, é o jeito dele jogar. Mas ele é parceiro, por isso trocamos as camisas depois do jogo", explicou o capitão da equipe alviverde. Kleber só não gostou da vitória do Santos no clássico. "O empate teria sido melhor para nós. Mas, se eles bobearem, vamos ficar com a liderança", previu o atacante.

Em clima favorável no campeonato, os jogadores do Palmeiras aparentemente se "esqueceram" da orientação do técnico Luiz Felipe Scolari, que proíbe que seus jogadores deem entrevistas antes, durante e logo em seguida às partidas.

"A Portuguesa, em alguns momentos, foi melhor do que o nosso time", analisou Kleber. "Nosso primeiro tempo não foi bom. Mas depois conseguimos fazer os gols e chegar à vitória", explicou o capitão, que fez o segundo gol nos acréscimos, depois de receber a bola, girar e bater no canto direito do goleiro, diante dos atônitos zagueiros Domingos e Preto Costa.

Feliz da vida estava o lateral-direito Cicinho, autor do primeiro gol, em chute cruzado, de primeira, de fora da área, no canto direito de Weverton. "Foi um belo gol", concordou o jogador. "Estamos fazendo um trabalho sério e, graças a Deus, a bola entrou", vibrou Cicinho, que marcou seu primeiro gol no novo clube.

O veterano goleiro Marcos foi outro destaque do Palmeiras. No primeiro tempo, fez difícil defesa quando o placar estava 0 a 0. Henrique chegou livre à sua frente, mas não conseguiu encobrir o bom goleiro, que fez outras várias defesas na partida, em chutes de fora da área. Apesar de não ter ido bem na etapa inicial, o Palmeiras teve também uma grande chance, com o lateral Rivaldo, mas o chute saiu para fora.

A Portuguesa chegou a reclamar de um toque de mão na área do Palmeiras. E o zagueiro Preto Costa, que levou cartão amarelo por reclamar no lance, saiu de campo se queixando da arbitragem. O pênalti reclamado pelos jogadores da Lusa poderia ter mudado a partida, já que até então o jogo estava equilibrado, sem que qualquer das equipes permitisse o contra-ataque. Aquele foi o melhor momento da Lusa, que, depois de levar o primeiro gol, aos 36 minutos, não conseguiu articular a reação e acabou tomando o segundo.

Com o bom resultado, Felipão considera que o Palmeiras já conseguiu 40% da pontuação necessária para carimbar a vaga na segunda etapa do Paulistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.