Palmeiras embarca rumo à Série B

Derrota por 3 a 0 para a Portuguesa deixa time de Felipão em situação complicada na abertura do segundo turno

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2012 | 03h03

A Portuguesa precisou de apenas 45 minutos para aproveitar o desespero do Palmeiras e ganhar sem dificuldades no Canindé por 3 a 0. Foi um baile, comandado pelo artilheiro Bruno Mineiro, autor de dois gols. Para a Lusa, o resultado fez a equipe ter tranquilidade e focar como principal objetivo uma vaga para a Copa Sul-Americana do ano que vem. Já ao Palmeiras, desespero e vergonha foram as palavras mais ditas pelos torcedores no estádio. Embora seja apenas a primeira rodada do segundo turno, o rebaixamento se tornou um assunto tão corriqueiro que poucos lembram que o time foi campeão da Copa do Brasil.

O primeiro tempo foi de muita marcação, mas pouco futebol. Os dois times tiveram dificuldades para criar por culpa das defesas muito bem posicionadas. A Portuguesa apostou suas fichas no lado direito com Luis Ricardo sempre alçando bolas para a área. E forte marcação nas principais peças de Felipão.

O Palmeiras se apresentou com uma formação não muito comum. Com João Vitor na lateral-direita, Mazinho e Betinho tiveram liberdade para chegar pelas pontas, já que Barcos ficou mais centralizado. Apesar de povoar o ataque, o time criou pouco. Valdivia, bem marcado, não brilhou. Sofreu muitas faltas e se perdeu.

A melhor chance de gol do primeiro tempo foi da Portuguesa. Ananias recebeu dentro da área, girou sobre Correa e bateu, mas Bruno espalmou. O momento de maior agitação do primeiro tempo foi aos 42, quando Ananias e Valdivia se estranharam. O lusitano reclamou que o chileno o chutou sem bola. Seneme deu cartão amarelo para os dois e os ânimos esfriaram.

Lusa dominou. No segundo tempo, Felipão colocou Maikon Leite no lugar de Betinho para tentar dar mais velocidade ao ataque. Mas o que ele viu foi um massacre rubro-verde. Não deu nem tempo de Maikon Leite tocar na bola. Logo aos 4 minutos, Ananias fez uma linda jogada pela direita, partiu para cima de Correa e, com um drible da vaca, deixou o marcador plantado. Depois, cruzou na medida para o atacante Bruno Mineiro, que ficou sozinho após o escorregão bisonho de Leandro Amaro, e teve tranquilidade para, de cabeça, marcar o primeiro gol do jogo.

O desespero tomou conta do Palmeiras e a bola passou a queimar no pé de todo mundo. A Portuguesa, sem muito esforço, deixou o adversário se atrapalhar sozinho. Maikon Leite pegava a bola e corria de cabeça baixa até se enroscar e perder a jogada. Valdivia errava passes como um juvenil e quando a bola chegava em Barcos, o argentino não sabia o que fazer para definir o lance.

No contra-ataque, a Lusa ampliou. Aos 24, Rogério entrou livre pela esquerda e chutou forte. Bruno tentou defender, mas falhou ao espalmar a bola no travessão. No rebote Bruno Mineiro mandou de cabeça para a rede. O jogo continuou o mesmo. O time de Felipão fazia um monte de bobagens e a Lusa chegava fácil nos contra-ataques. Para fechar o placar, um belo gol de Moisés, aos 39. Ele recebeu de Diego Viana, girou em cima de Leandro Amaro e enterrou de uma vez o Palmeiras.

Os palmeirenses deixaram o Canindé com o sentimento de que a Série B é logo ali. E a torcida da Lusa acreditando na vaga à Copa Sul-Americana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.