Palmeiras fica em situação difícil

Derrotado pelo Vasco por 2 a 0 no Rio, time de Felipão tem de vencer por três gols de diferença[br]para avançar no torneio

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2011 | 00h00

Faltou futebol e, principalmente, sorte para o Palmeiras ontem. Com direito a um gol de ombro, que o próprio Diego Souza admitiu que foi sem querer, o Vasco venceu por 2 a 0 e complicou a vida do Alviverde na sequência da Copa Sul-Americana. Mas de fato a equipe paulista não merecia vencer. Aqueles mesmos erros que tanto a equipe cometeu nos últimos jogos se repetiram em São Januário.

"A equipe foi muito apática, mas não tem nada perdido. Agora em casa, temos de reverter a vantagem deles", disse o atacante Dinei. "O resultado foi péssimo", completou Marcos.

O time mostrou mais uma vez que não tem criatividade em seu meio de campo e quem sofreu com isso foi o ataque. Luiz Felipe Scolari admitiu, na quarta-feira, que a equipe tinha dificuldades para conseguir chegar com eficiência na frente e achou que falando publicamente do assunto faria as coisas mudarem. Nada feito. Ontem, o Palmeiras só conseguiu levar perigo com as já manjadas bolas paradas de Marcos Assunção. Muito pouco para um time que entrou na Sul-Americana disposto a lutar pelo título, tanto que ontem entrou com força máxima, enquanto o Vasco poupou alguns titulares.

Outra deficiência alviverde que mais uma vez ficou clara foi a falha no posicionamento quando é atacado pelo alto. Os dois gols sofridos foram assim. Sabendo desse ponto fraco, de uma defesa quase intransponível, o Vasco aproveitou e com uma enorme dose de sorte, conseguiu marcar o primeiro gol.

O lance começou em um chute de Elton que desviou em Assunção e Marcos teve que mandar para escanteio. Na cobrança, Bernardo tentou jogar a bola na cabeça de Diego Souza, mas bateu no ombro do ex-palmeirense e entrou no gol. "Dei sorte, a bola bateu em mim e entrou. O importante é o gol", disse o meia.

Golpe final. O Palmeiras tentou mudar o panorama do jogo na segunda etapa. Felipão mandou o time para cima. Só que o problema não era falta de vontade, mas sim de qualidade. Para "variar", só levava perigo nas bolas paradas de Marcos Assunção jogando para o meio da área e alguém tentando o cabeceio.

O Vasco se fechou e esperou um vacilo (mais um) da defesa alviverde. Em um contra-ataque, Leandro recuperou a bola que saía pela linha de fundo e cruzou na cabeça de Elton: 2 a 0. Mais um gol pelo alto que o Palmeiras levou.

O resultado faz com que a equipe alviverde precise vencer por pelo menos três gols de diferença no jogo da volta, dia 25, no Pacaembu. Se vencer por 2 a 0, a decisão vai para os pênaltis. O consolo para Felipão é que Valdivia estará de volta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.