Palmeiras, frustrante, só empata

Time não conseguiu sair do 0 a 0 com o Sport em pleno Palestra

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2008 | 00h00

O Palmeiras queria passar a noite de ontem sem levar gol. Conseguiu. Seu outro objetivo, balançar a rede adversária, foi um fracasso. No primeiro jogo das oitavas-de-final da Copa do Brasil, o time paulista não passou de um empate sem gols com o Sport, no Palestra Itália. Frustração aos mais de 16 mil palmeirenses que foram ao estádio. Na quarta-feira, no Recife, os paulistas precisam de uma vitória ou de um empate com gols para chegar às quartas-de-final.Com o discurso de que ''o mais importante na Copa do Brasil é não tomar gol em casa'', o Palmeiras jogou precavido. Vanderlei Luxemburgo deixou Élder Granja, Pierre e Alex Mineiro no banco, pensando na primeira partida da final do Estadual, contra a Ponte Preta, domingo, em Campinas.Apesar de estar atento aos ataques do adversário, o Palmeiras bobeava. Ia para frente e dava espaços para o Sport contra-atacar. E se não fosse Marcos defender uma cabeçada de Carlinhos Bala logo no começo, as dificuldades seriam maiores. Porque lá no ataque estava complicado colocar a bola para as redes. E não faltaram chances. Kléber, Martinez, Diego Souza, Valdivia. Todos tiveram pelo menos uma boa chance de fazer a festa da torcida, ainda no 1º tempo. O goleiro Magrão, inspirado, cumpria bem o seu papel.O Palmeiras insistia nas jogadas pelo meio. Estava congestionado. As melhores chances eram pelas pontas - e nos chutes de longa distância. ''Nós não precisamos golear. Um a zero já está ótimo'', disse o goleiro Marcos no intervalo. O Palmeiras voltou para a segunda etapa com Élder Granja no lugar de Léo Lima (sentiu uma fisgada na coxa esquerda e é dúvida para domingo). Com a substituição, Wendel foi para o meio, mas o time não mudou seu modo de jogar: domínio da partida, mas sem uma real pressão.O tricampeão pernambucano atuava tranqüilo. Sabia que o empate sem gols era um ótimo resultado. Por isso mesmo, não se arriscava no ataque e jogava nos erros do adversário.Luxemburgo trocou Diego Souza por Alex Mineiro. As dificuldades continuavam, com erros de finalização. Depois, foi a vez de Lenny entrar na vaga de Denilson. O time seguia no ataque, mas Magrão mostrava segurança no gol. Kleber e Élder Granja perderam ótimas oportunidades. O placar de 0 a 0 em casa não foi o esperado pelo time que sonha com o título da Copa do Brasil.Mais informações doPalmeiras na página E2

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.