Palmeiras joga bonito e arrasa Náutico

Sem pressão e peso nas costas de outras jornadas, time de Felipão troca passes com estilo e sai da zona da degola

DANIEL AKSTEIN BATISTA, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2012 | 03h03

Esqueçam aquela história de que o Palmeiras não sabe jogar bonito. Ao menos ontem, o time colocou a bola no chão, trocou passes e fez por merecer a vitória por 3 a 0 sobre o Náutico, para sair da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e ainda colocar Obina como personagem principal da ensolarada tarde na Arena Barueri.

O título da Copa do Brasil devolveu de vez a confiança ao Palmeiras, que já soma quatro jogos sem perder. E, no caso de Obina, nada melhor do que entrar num time que já vem entrosado e com um padrão de jogo.

Na última rodada do Brasileiro, pouco deu para saber o que a entrada do atacante significaria para o time, já que atuou por poucos minutos no empate por 1 a 1 com o Coritiba, no estádio Couto Pereira. Ontem, Felipão sacou Betinho e deu a vaga de titular para Obina, e o jogador que estava na China mostrou que dificilmente sairá da equipe. Chamou a responsabilidade, tabelou com os companheiros e foi ovacionado pela torcida.

O bom desempenho do Palmeiras ontem, vale ressaltar, veio ainda com o time incompleto. Tudo bem que Valdivia, Henrique e João Vítor voltaram após não jogarem contra o Coritiba, mas Marcos Assunção, Thiago Heleno e Barcos, por exemplo, ainda estão fora. E o Náutico, coitado, pouco pôde fazer para parar o adversário.

Conhecido principalmente por sua disciplina tática, pela força da marcação e os cruzamentos na aérea, a equipe de Felipão ontem ficou caracterizada pelo toque de bola refinado e as jogadas pelo chão. Foi assim que Obina chegou sozinho para fazer 1 a 0, aos 18 minutos, após boa jogada de João Vítor.

Os volantes do Palmeiras, aliás, tiveram espaço livre para avançar e Márcio Araújo e João Vitor se alternavam no ataque. Até o jovem zagueiro Wellington, em sua melhor partida pelo time, ganhou o apoio de Felipão para arriscar umas subidas.

Se teve alguém do Náutico que mereceu destaque foi o goleiro Felipe, responsável por não deixar sua equipe ir embora de Barueri com uma goleada. Ele defendeu chutes de Valdivia (outro que teve ótima atuação), segurou cruzamentos e só não conseguiu parar Mazinho, que recebeu cruzamento perfeito de Obina para deixar sua marca, aos 29.

A inspirada tarde palmeirense animou os 7 mil torcedores que foram a Barueri. Os gritos de "é campeão" ainda ecoavam no estádio, mas foi o grito de gol que mais se ouviu ontem. O segundo tempo ainda estava no começo quando Márcio Araújo roubou a bola, puxou contra-ataque e tocou para Obina acertar a trave. O rebote caiu justo nos pés do volante, que não errou o alvo aos 5 minutos.

Bastante preocupado em marcar, o Náutico só chegou com perigo em alguns cruzamentos, e em todos eles o goleiro Bruno mostrou qualidade, defendendo tentativas de Elicarlos, Márcio Rosário e Lúcio. E quando tentavam chegar com a bola rolando, os visitantes também paravam na boa marcação alviverde.

Bastante aplaudido, Obina foi substituído por Betinho aos 19 minutos. E mesmo com a mudança o Palmeiras manteve seu padrão de qualidade em campo e Mazinho quase fez mais um.

Felipão ainda deu chance para Artur e Daniel Carvalho, mas o placar já estava construído. O fim do jogo foi de toque de bola do Palmeiras, com o treinador ainda gritando na beira do gramado e a torcida gritando "olé."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.