Palmeiras luta em casa contra férias forçadas

Palmeiras luta em casa contra férias forçadas

Time recebe o Paysandu e, em crise, pode até perder para passar de fase. Eliminação o deixa parado por um mês

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

31 de março de 2010 | 00h00

O Palmeiras está numa situação que tinha tudo para ser tranquila. Joga na noite de hoje em casa, contra um time que está longe de ser uma das forças do futebol brasileiro e pode até perder por um 1 a 0 para chegar às oitavas de final da Copa do Brasil (venceu a ida por 2 a 1). O panorama, porém, não é assim tão fácil. Quando a partida contra o Paysandu começar, às 21h50, a pressão entrará em campo. A classificação é obrigatória.

O clima no Palestra piora a cada dia. No empate por 1 a 1 com o Mirassol, sábado, os torcedores não pouparam nem Antônio Carlos, chamado de "burro". As vaias têm sido constantes no estádio, assim como os pedidos de renúncia a Luiz Gonzaga Belluzzo e principalmente ao vice Gilberto Cipullo.

Ontem, conselheiros enviaram um requerimento com mais de 90 assinaturas solicitando ao presidente do Conselho Deliberativo, José Ângelo Vergamini, uma Assembleia Geral Extraordinária para discutir os rumos do departamento de futebol. O clima no clube está tenso e uma derrota hoje pode piorar a situação de todos. E ainda abreviar a passagem de Antônio Carlos. A desclassificação provavelmente causaria também uma reforma total no departamento comandado por Cipullo. E os jogadores ganhariam férias forçadas de um mês. O último jogo no Estadual é na quarta-feira, contra o Paulista, e o primeiro desafio no Brasileiro será apenas em 8 de maio, contra o Vitória, no Palestra. "Se a gente perder vai ser uma coisa muito ruim, vai ser feio", disse o atacante Robert.

O Palmeiras não vence em casa há três jogos. São duas derrotas e um empate, que causaram a ira da torcida. No sábado, menos de quatro mil torcedores compareceram ao estádio. A Mancha Alviverde, aliás, preferiu ficar protestando do lado de fora. Hoje, a expectativa é de ao menos 10 mil pessoas - e isso por que o ingresso para a arquibancada está mais barato, a R$ 20. "Temos de mostrar ao torcedor que estamos prontos para voltar a vencer", falou o meia Ivo. "O momento agora é de reverter as coisas dentro de campo para depois saber do resto fora dele", disse, em referência aos atrasos nos direitos de imagem. "Aqui ninguém está passando fome", declarou Robert, para explicar que a falta de pagamento não é o motivo para os últimos fracassos da equipe.

Sem achar a formação ideal, o treinador muda a equipe, mas segue no esquema 4-4-2 do qual não abre mão. A novidade deve ser a presença do volante Márcio Araújo na lateral-direita e Eduardo, pela esquerda.

Machucados, Cleiton Xavier, Lincoln e Ewerthon não foram relacionados. Já o ex-flamenguista Bruno Paulo estará no Palestra, provavelmente na reserva. O ataque deve ser formado por Robert e Vinícius e Ivo entrará no meio de campo. "Esse jogo vai definir muita coisa. Temos de entrar concentrados em com personalidade", disse o meia, ex-Juventude.

Mais felicidade. Quem vê os treinos do time nem imagina que a situação está feia. No bate-bola na Academia de Futebol, os jogadores brincam o tempo todo e tiram sarro um do outro. Na hora da partida, porém, o ambiente é outro. "Falta vibração, às vezes a gente entra desmotivado por tudo o que está acontecendo", admitiu Robert. "O professor (Antônio Carlos) conversou com a gente e falou que está faltando alegria em campo."

PALMEIRAS

PAYSANDU

COPA DO BRASIL

PALMEIRAS

Marcos

Márcio Araújo

Léo

Danilo

Eduardo

Edinho

Pierre

Ivo

Diego Souza

Vinícius

Robert

Técnico:

Antônio Carlos

Destaques

5| Pierre

O volante tenta ajudar o time a não levar gols

7| Marquinhos

Impõe forte

marcação no meio de campo

PAYSANDU

Alexandre Fávaro

Leandro Camilo

Paulão

Rogério Corrêa

Cláudio Allax

Tácio

Sandro

Marquinhos

Zeziel

Moisés

Didi

Técnico:

Charles Guerreiro

Juiz: Pablo dos Santos Alves (RJ)

Local: Palestra Itália

Horário: 21h50

Transmissão: ESPN Brasil e SporTV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.