Palmeiras mira africanos na estreia

Façanha de Burkina Fasso, surpresa na Copa das Nações, inspira Gilson Kleina diante do Sporting Cristal na largada da corrida pelo título sul-americano

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2013 | 02h06

O Palmeiras nunca estreou em uma Taça Libertadores tão desacreditado quanto nesta temporada. O time enfrenta o Sporting Cristal hoje, no Pacaembu, tendo como adversário, além do time peruano, a desconfiança da torcida, da imprensa e até de seus dirigentes. Contra o descrédito geral, Gilson Kleina recorre ao feito de Burkina Fasso, vice-campeã da Copa Africana de Nações, para elevar o Palmeiras.

O motivo da desesperança não é novidade. O time há dois meses foi rebaixado para a Série B do Brasileiro e, apesar da contratação de oito jogadores - sendo que sete deles podem atuar hoje - , o sentimento é que o drama de 2012 permanece, já que o Alviverde não tem feito uma elogiável campanha no Paulista.

Além disso, o ano começou com surpresas e notícias repetidas que incomodam os torcedores. Ídolo maior e principal esperança da equipe, Barcos deixou o clube. Valdivia, outro que ainda é idolatrado pelos palmeirenses, mais uma vez se machucou e não estará em campo hoje.

Mesmo assim, ninguém aceita baixar a guarda e se render antes mesmo de lutar. Gilson Kleina tem até um exemplo de superação para motivar os atletas.

"Aposto todas as minhas fichas no Palmeiras. Acompanhei a Copa Africana e vi que Burkina Fasso chegou sem esperança e foi para a final. Acredito muito no querer do atleta. O Palmeiras talvez não tenha convencimento de jogo, mas jogamos por resultado. Não vamos deixar de correr e lutar", avisou.

Em cima dessa proposta, Kleina resolveu criar um clima de decisão para os atletas. A delegação viajou na noite de terça-feira para Itu e se refugiou em um resort para se concentrar totalmente neste jogo de hoje e no clássico contra o Corinthians, domingo.

Mudança geral. Kleina resolveu ainda mudar radicalmente o time para a estreia. O treinador vai apostar em um grupo mais experiente e com uma formação tática sem atacantes de referência, mas sem perder o poder de fogo. Bom lembrar que o técnico só teria os jovens Caio e Vinícius e o meia Ronny, que poderia atuar improvisado no setor, para escalar a linha de frente.

Em vez do tradicional 4-4-2 ou o 4-3-3, utilizado contra o São Bernardo e XV de Piracicaba, Kleina vai apostar tudo no 4-5-1. Vinícius será o único atacante, mas cairá mais pelas pontas, o que faz com que o time não tenha ninguém dentro da área como referência.

Assim, três reforços vão estrear hoje. Weldinho, apresentado na segunda-feira, ganhou a disputa contra Ayrton e começa na lateral-direita. O volante Marcelo Oliveira, embora tenha dito que gostaria de se manter na posição, será improvisado na lateral-esquerda no lugar de Juninho. E Vilson. ex-jogador do Grêmio cotado para ser titular ao lado de Henrique na zaga, vai atuar como volante.

No Sporting Cristal, o técnico Roberto Mosquera promete mandar o time para o ataque hoje. "Não vamos ficar na retranca. Vamos jogar por um bom resultado no Brasil", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.