Palmeiras mostra a sua força

Comandado em campo por um inspirado Denilson, campeão paulista se impõe ao time gaúcho e vence por 2 a 1

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

19 de maio de 2008 | 00h00

Dois favoritos, Palmeiras e Internacional. Ambos campeões estaduais. Equipes sem outras preocupações na temporada, o que prometia um grande confronto ontem à noite, no Palestra Itália. Mas a expulsão de Edinho, logo aos 18 minutos, acabou tornando o duelo totalmente desproporcional. Homem a mais em campo, vantagem verde no placar: vitória por 2 a 1 e a soma dos primeiros pontos no Campeonato Brasileiro.Triunfo importante. Com bela apresentação de futebol, sobretudo de Denilson. Dribles desconcertantes, boas chances e apenas três sustos. No gol de empate, feito por Índio no fim da primeira etapa, e em outras duas finalizações do zagueiro, na fase final, uma cortada em cima da risca por Pierre. No mais, só festa num Palestra Itália com pouco público.O primeiro duelo palmeirense em casa teve só 10.116 pagantes, algo decepcionante. A esperança dos dirigentes de colocar 27 mil torcedores no Palestra Itália terminou frustrada com o aumento do preço dos ingressos, de R$ 20,00 para R$ 40,00. A principal torcida organizada, a Mancha Alviverde, fez protesto e nenhum de seus integrantes entrou no palco do jogo. Perderam uma segura apresentação de futebol, com lances plásticos de Denilson, Lenny e do chileno Valdivia.O Palmeiras entrou com novidades em campo. Uma era provável, a mudança de Gustavo - não vinha agradando - por David, na defesa. A outra surpreendeu. Na vaga de Kléber, cortado por ter agredido o zagueiro reserva Maurício no treino de sexta-feira, todos apostavam na escalação de Lenny. Quem acabou iniciando o jogo foi o volante Léo Lima, recuperado de lesão muscular que o tirou das finais do Campeonato Paulista, diante da Ponte Preta.Um falso esquema defensivo. Com a bola nos pés, Léo Lima e Martinez tinham liberdade para atacar. Leandro e Elder Granja pareciam pontas. Antes do 15 minutos, os palmeirenses já haviam lamentado dois incríveis gols perdidos. Com Denilson, aos 3, e Alex Mineiro, aos 12. Estavam na cara de Renan e não aproveitaram. Nada para causar desespero.Ainda mais quando Edinho mostrou falta de habilidade e deu rasteira em Valdivia. A grosseria foi premiada com cartão vermelho. "Acho que até toquei um pouquinho, mas o Valdivia encena muito. Não merecia ser expulso", saiu na bronca Edinho. Na verdade, ele tinha é de se desculpar com os companheiros pela besteira que fez.A comemoração da torcida verde teve proporções idênticas à de um gol. E ele viria logo depois. Denilson deixou o zagueiro tonto e acertou no canto do goleiro Renan: 1 a 0 e, finalmente, a ?festa no chiqueiro?.Com um jogador a mais em campo e vantagem no placar, era questão de tempo a marcação do segundo gol. Porém, contra um time que carrega a virtude de jamais se abalar e apostar na raça gaúcha, é necessário estar ligado até o minuto final. Não houve atenção e justamente no último suspiro da fase inicial, Índio igualou o marcador, em cabeçada certeira. "Falhamos na marcação", reconheceu o zagueiro Henrique. "Mas vamos marcar o segundo."Premonição ou confiança, pouco importa. Valeu mesmo é a precisão de Alex Mineiro em cobrança de pênalti, aos 15. Fez 2 a 1 e deu beijo em Valdivia. O chileno havia sofrido o pênalti.O próximo confronto do Alviverde será com a Portuguesa, domingo, no Pacaembu. O mando é da Lusa, mas por acordo entre as diretorias, os dois jogos entre os times serão no estádio municipal. O Palmeiras terá boa chance de já se aproximar dos líderes. CHAVES DO JOGO1. Expulsão de EdinhoVolante levou cartão vermelho com apenas 18 minutos de jogo e facilitou a vida dos palmeirenses2. HabilidadeDenilson e Valdivia levaram a zaga colorado à loucura com dribles desconcertantes3. Firmeza defensivaDavid, novo titular, Henrique e o volante Pierre neutralizaram os perigosos Nilmar e Fernandão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.