Palmeiras, o grande teste do Corinthians

O Corinthians iniciou o ano desacreditado após o rebaixamento para a Série B do Brasileiro. Mano Menezes tratou de começar o trabalho do zero, reformulou o elenco com jogadores pouco badalados (mas batalhadores), acertou a retaguarda e tem conseguido resultados que poucos acreditavam. O time se classificou para a segunda fase da Copa do Brasil e é o melhor dos grandes no Campeonato Paulista, com 20 pontos, a defesa menos vazada da competição e só uma derrota. Hoje, às 16 horas, no Morumbi, terá o grande teste: vai encarar seu maior rival, o Palmeiras, num jogo que promete ser nervoso e terá arquibancada cheia. A expectativa dos dirigentes é de mais de 60 mil torcedores no estádio são-paulino.   Ao vivo: Corinthians x PalmeirasOs palmeirenses vêem o clássico como uma decisão. Não admitem deixar o Corinthians ganhar força para seguir rumo à classificação para a semifinal. E não podem pensar nem em empate, se ainda quiserem ter esperanças de conquistar uma vaga na fase seguinte. A torcida deu o recado na semana passada: "Virou obrigação ganhar do time de Segunda Divisão." A cobrança ocorreu após o decepcionante empate contra o Rio Preto (1 a 1), no Palestra Itália. Vanderlei Luxemburgo sabe que uma derrota representará início de fase turbulenta. Seu elenco é muito mais caro do que o do rival, embora não se trate de nenhuma maravilha.A perspectiva é de jogo aberto. Com 4 pontos de vantagem sobre o adversário, o Corinthians sabe que a vitória deve "eliminar um concorrente direto à vaga", como apregoa Mano Menezes. Mesmo com desfalques, o treinador aposta em esquema mais ofensivo. "Não posso programar um empate, pois assim já entraremos em campo derrotados." O goleiro Felipe, ainda com dores no ombro direito, treinou ontem e garantiu que se sentepronto para entrar. Força é o que não falta ao Palmeiras. Força de vontade, ao menos, porque o futebol apresentado tem deixado a desejar. "Todas as vezes em que fomos piores para o clássico nós vencemos", lembra o goleiro Marcos. "Se ganharmos, encostamos lá na frente", diz Luxemburgo, que deve armar esquema mais ofensivo, com a presença de Kléber no ataque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.