Palmeiras, o time das viradas

Mais uma vez o Alviverde sai atrás no placar, mas empurrado pela torcida consegue superar o Paysandu com gol aos 49 minutos do segundo tempo

VÍTOR MARQUES, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2013 | 02h07

Há anos o palmeirense que acompanha o time de perto entoa sempre que um adversário sai na frente: 'O Palmeiras é o time da virada... O Palmeiras é o time do amor'. Ontem, mais uma vez clube e torcida mostraram que a essência do cântico está mais viva do que nunca e pela terceira vez nos últimos quatro jogos a equipe venceu um jogo em que começou atrás no placar.

Nenhuma virada nos últimos tempos havia sido tão emocionante quanto a de ontem contra o Paysandu no Pacaembu. Aos 49 minutos do segundo tempo, o atacante Leandro, que carregava o peso de não marcar um gol havia cinco partidas, cabeceou de mansinho para decretar a vitória alviverde

O triunfo pode até ter mascarado a partida ruim do líder disparado da Série B - o time chegou aos 40 pontos e não perde há 11 partidas. O que se sabe é que três pontos a mais ou a menos não farão diferença para o Palmeiras subir e voltar à elite. O problema que o time tem mostrado e que precisa ser corrigido é o posicionamento de alguns jogadores no meio, em especial os de marcação.

Mesmo contra adversários que só se defendem, o Palmeiras é agredido com frequência. Muitas vezes os zagueiros Henrique e Vilson ficam sozinhos, tentando bloquear três ou quatro atacantes.

O gol de Pablo, o primeiro do Paysandu, foi uma consequência da falha de marcação de um meio de campo com Márcio Araújo, Charles e Wesley, três jogadores que têm responsabilidades defensivas.

O retrato do primeiro tempo foi de um Paysandu retraído, esperando uma brecha qualquer, um vazio no meio, para chegar ao gol de Fernando Prass. Enquanto isso, o Palmeiras errava passes como nunca e tentava jogar pelo meio. Não deu certo.

No segundo tempo, Kleina acertou ao colocar Felipe Menezes no lugar de Charles, mas em outro contragolpe Pikachu marcou um golaço: 2 a 0.

O Palmeiras não se entregou . Diminuiu com Kardec, de cabeça, num cruzamento de Luis Felipe. Mesmo após a confusão e a briga que culminaram com as expulsões de Wesley e Fábio Sanches, o time não parou.

Jogando juntos, Felipe Menezes e Mendieta, que marcou um golaço, o de empate, deram outra cara à equipe. Foram eles e também as investidas de Luis Felipe que deram ao Palmeiras a vitória no segundo tempo, selada com o gol de Leandro, no sufoco e na garra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.