Palmeiras procura o seu caminho

Sem convencer a sua torcida e ainda com um time em formação, Alviverde visita o lanterna São Caetano em busca da estabilidade na temporada

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

17 de março de 2013 | 02h07

Invicto há oito rodadas no Campeonato Paulista - quatro vitórias e quatro empates - e na Libertadores, duas derrotas consecutivas. Esses números mostram o quanto o Palmeiras é um time instável e que ainda não passa segurança. Vence, mas não convence, como aconteceu na última quinta-feira, quando fez 2 a 1 no Paulista sob vaias de sua torcida no Pacaembu.

O adversário de hoje é o lanterna do estadual e seria uma presa fácil para os comandados de Gilson Kleina. O problema, porém, é que o Alviverde tem dificultado situações fáceis e deixado muitos torcedores preocupados sem necessidade

Contra o Paulista, por exemplo, mesmo com dois jogadores a mais uma boa parte do segundo tempo, a equipe chegou a passar apuros e decepcionou quem esperava por uma goleada.

E o que faz os palmeirenses torcerem ainda mais o nariz é saber que o principal jogador do time não estará em campo. Valdivia sofreu uma lesão na coxa direita e ficará cerca de um mês longe dos gramados (leia mais abaixo).

A tendência é que, sem o chileno, Wesley volte a ganhar uma nova oportunidade entre os titulares. Caso não queira mexer no esquema tático, Kleina pode colocar Ronny, Tiago Real ou promover a estreia de Rondinelly.

"O time está crescendo, mas não vou vender ilusão. Estamos no caminho, mas só com o tempo para encaixar. Precisamos entender que existe um adversário e que ele tem de ser respeitado", disse Kleina.

Outra preocupação é com o ataque. Embora o time tenha desencantado na última partida, após três jogos sem fazer gols, os atacantes continuam em baixa, principalmente Kleber, que admite estar em dívida mas pede um voto de confiança para a torcida. "Ainda não joguei o que eu sei jogar", avisou.

Lanterna, o São Caetano demitiu o técnico Geninho e anunciou a contratação de Ailton Silva, que havia deixado o clube na quarta rodada do Paulistão. E o "novo" treinador aposta suas fichas no veterano Rivaldo que, aos 40 anos, se vê na obrigação de lutar contra a queda do time no estadual.

"É difícil estar nessa situação, pois sempre consegui vários títulos na minha carreira. Nunca passei por isso", admitiu Rivaldo, que ainda não conseguiu vencer nos cinco jogos que atuou pelo time do ABC. O atacante Jobson, com lesão no braço, não joga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.