Palmeiras quer tornar Pacaembu sua ''casa''

Após 2 derrotas seguidas como mandante, time de Felipão busca um bom resultado, hoje, contra o Vasco

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

12 de setembro de 2010 | 00h00

Jogar em casa é sinônimo de tranquilidade e vitória, certo? Não para o Palmeiras. O time que só conseguiu um triunfo como visitante no primeiro turno do Campeonato Brasileiro volta a reencontrar a torcida na tarde de hoje, às 16 horas, contra o Vasco. Mas atuar no Pacaembu não tem sido com bom proveito.

A diretoria não nega que financeiramente não vale a pena atuar no estádio municipal. O Palestra Itália foi fechado em junho para as obras que ainda não se iniciaram - a WTorre não obteve o alvará da Prefeitura e espera conseguir até o final do mês. Enquanto isso e ainda por um bom tempo, o Pacaembu seguirá como a casa alviverde - o clube, porém, estuda mandar jogos em estádios do interior paulista em 2011.

Faz tempo que o torcedor não vê uma boa apresentação do Palmeiras no Pacaembu. Nas últimas duas partidas, duas derrotas: 3 a 2 para o Cruzeiro e 3 a 0 para o Atlético-GO. Luiz Felipe Scolari realizou apenas cinco jogos no estádio, pelo Brasileiro: uma vitória, duas derrotas e dois empates. O treinador também comandou o time nos 3 a 0 sobre o Vitória, mas válido pela Copa Sul-Americana. Nos outros dois confrontos que o time realizou no Pacaembu, Murtosa estava no banco no triunfo por 2 a 1 sobre o Santos e Jorge Parraga era interino no revés para o Flamengo por 1 a 0.

De acordo com Kleber, o fato de ir mal longe do seus domínios não é o principal problema do Palmeiras. "O que está atrapalhando são os resultados em casa", diz, para explicar o mau desempenho do time no Brasileiro e recordando os últimos tropeços. "Mas o problema não é o Pacaembu. No Parque Antártica a gente também estava com dificuldades."

Vencer o Vasco do invicto técnico PC Gusmão servirá para trazer uma tranquilidade que pouco aparece no clube. Os últimos dias foram conturbados e as críticas, intensas. Felipão e Kleber reclamaram da postura da equipe no empate com o Vitória por 1 a 1, na quarta-feira. "Não tomamos dois gols por milagre", lembrou o treinador, irritado com as falhas de marcação e posicionamento.

Felipão avisou que não adianta mais dar desculpas à torcida pela fraca campanha na competição. "Devido a várias situações, sabíamos que passaríamos por dificuldades. Mas agora não existe mais isso: não estamos bem mesmo", falou. "Temos de cobrar atitudes. Um jogador tem de auxiliar o companheiro em campo. E não adianta só falar e não colocar em prática."

Sem Marcos Assunção e Pierre, suspensos, o técnico vai mudar a equipe. Mas não colocará Valdivia desde o início do jogo. "Ele não está em condições de atuar os 90 minutos, não tem a mesma movimentação", disse. Patrick deve ganhar vaga no meio e Tadeu, autor do gol contra o Vitória, um lugar no ataque. Vencer hoje, sabem os jogadores, é obrigação. "Temos de melhorar e crescer, não temos mais tempo", alertou Kleber.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.