Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

Palmeiras repete façanha de 1999

Time conquista invencibilidade de 15 partidas, mas Felipão, técnico nas duas oportunidades, garante que o diferencial agora é o conjunto

DANIEL AKSTEIN BATISTA, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2011 | 00h00

Luiz Felipe Scolari resumiu bem seu time ao ser questionado se temia perder jogadores na janela de transferência para o exterior no meio do ano: "O que aparece na vitrine é o grupo, e não a individualidade dos jogadores", falou. "Neste momento ninguém está sendo cotado para sair e nossa equipe está montada até o fim do ano." O imbatível Palmeiras que surpreende neste início de ano é justamente o retratado por seu treinador. Se não há grandes estrelas no elenco, o conjunto se sobressai.

Na quarta-feira, a vitória sobre o Santo André por 2 a 1 deixou o Palmeiras mais perto das quartas de final da Copa do Brasil - pode até perder por um gol de diferença na quinta-feira, no Pacaembu, para avançar - e igualou uma façanha conquistada por Felipão há 12 anos, com um time que marcou história: já são 15 jogos de invencibilidade.

Se passar pela Ponte Preta no domingo, em Campinas, o Palmeiras ultrapassa a marca daquele supertime que ficou famoso pela conquista da Taça Libertadores de 1999, o último título importante do clube - depois só levantou o troféu paulista em 2008, após anos de insucessos.

O corintiano Alessandro foi o responsável pela única derrota do Palmeiras na temporada. Em 6 de fevereiro, o zagueiro marcou o único gol no clássico do Pacaembu. O revés ligou o sinal de alerta no Palestra Itália, mas o que se viu depois foi uma incrível sequência de 11 vitórias e quatro empates. Com um detalhe: apenas agora Felipão diz que achou a formação ideal da equipe.

É muito prematuro - e errado - tentar comparar o atual Palmeiras ao de 1999, e a própria torcida tenta evitar isso, apesar dos números. Há 12 anos, a história se repetiu em um feito: o time conquistou tal série invicta após derrota para o Corinthians. Mas, naquele caso, Felipão tinha um elenco maior, já que disputava três competições ao mesmo tempo: Estadual, Copa do Brasil e a Libertadores. Após 45 dias sem perder, o Palmeiras caiu frente à Portuguesa, no Canindé (1 a 0).

Os atuais números ainda estão longe de atingir a melhor série invicta da equipe, que entre 5 de dezembro de 1971 e 17 de junho de 1972 ficou 40 jogos sem derrota. E Vanderlei Luxemburgo levou a equipe a 29 partidas sem tropeço em 1996.

A surpreendente campanha alviverde em 2011 não ilude ninguém no elenco e Felipão chegou a dizer que o Palmeiras está pronto para ser campeão. Mas alguns jogadores já reclamaram da falta de atenção dada à equipe, que nunca foi colocada como favorita nos torneios que disputa.

Já classificado para as quartas de final do Estadual, o Palmeiras está 15 pontos na frente do atual 8.º colocado (hoje o São Caetano), o seu futuro adversário na competição. A diferença é grande, mas uma derrota na próxima fase pode mudar toda a fama de vitorioso colocada até aqui. "Temos de continuar mostrando serviço para ninguém questionar o Palmeiras", pediu Deola.

Apesar dos vários questionamentos neste início de ano, o Palmeiras já mostrou serviço. E sonha seguir os passos do time de 12 anos atrás.

Veja também:

som ESTADÃO ESPN - Palmeiras pretende reforçar equipe para sequência da temporada

linkFelipão poupará titulares do Palmeiras contra a Ponte Preta

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasLuiz Felipe Scolari

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.