Palmeiras repete rivais e avança

Assim como os outros três grandes, time de Felipão sofre, mas vence Mirassol e agora encara Corinthians na semifinal

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2011 | 00h00

O Palmeiras entrou em campo na noite de ontem com a pressão de confirmar seu favoritismo - São Paulo, Corinthians e Santos já haviam vencido seus jogos. A equipe levou alguns sustos, mas venceu o Mirassol por 2 a 1 e agora terá a semana livre para se preparar para o clássico da semifinal, contra o Corinthians.

O Pacaembu esteve longe de sua capacidade máxima, mas os 17 mil torcedores vibraram com os golaços de Valdivia e Márcio Araújo. Para o próximo duelo, a diretoria alviverde estuda tirar a partida do Pacaembu - afinal, mesmo mandante, o time sabe que o estádio é o preferido dos corintianos. O confronto deve ser no Morumbi ou até no interior (Presidente Prudente ou São José do Rio Preto).

O palco ontem foi do Palmeiras. Se na quinta-feira Valdivia havia sido o melhor jogador no triunfo sobre o Santo André, que valeu ao time vaga nas quartas de final da Copa do Brasil, o meia mais uma vez teve atuação de destaque. Logo aos 10 minutos, driblou seu marcador e acertou um belo chute de longe para fazer 1 a 0.

Sem Cicinho, machucado, Márcio Araújo e João Vítor se alternaram na lateral-direita e o time tentava chegar ao gol com a bola rolando. Em uma das jogadas, Luan apareceu pela esquerda, cruzou e por centímetros Tinga não apareceu para anotar o segundo. Marcos Assunção também queria seu gol e por pouco não o fez em cobrança de escanteio - o goleiro Fernando Leal estava atento e defendeu.

O Palmeiras foi melhor que o adversário em toda a partida, mas falhou no setor que tem se destacado na temporada: a defesa. Aos 40 minutos, após escanteio, a bola chegou a Marcelinho e ele empatou.

"Tivemos uma falha de grupo, a bola não podia ter passado por todos", lamentou Marcos Assunção. "Não podemos deixar para decidir no fim, senão se torna um nervosismo total", alertou.

A preocupação do volante era clara e ele sabia o que estava por vir. Tanto que o Mirassol resolveu fechar um pouco mais a defesa, apostando nos contra-ataques. Os visitantes só se esqueceram de marcar Márcio Araújo, que pegou rebote em lance de Kleber e acertou o canto direito de Fernando Leal, aos 11.

Logo em seguida, o meia Xuxa foi expulso e favoreceu o Palmeiras. Hora de ir para cima e liquidar a partida? O torcedor bem que pensou que seu time teria mais facilidade para jogar, mas o adversário resolveu se mexer. Tocou melhor a bola e só não conseguiu a igualdade por que o Palmeiras soube se defender. Luan ainda perdeu dois gols incrível, no contra-ataque: tabelou com Valdivia e, na frente de Fernando Leal, errou o chute. Depois, chutou ainda mais torto. Rivaldo também arriscou, mas parou no goleiro.

Com os erros da equipe, Felipão resolveu colocar o volante Chico no lugar de Tinga. Lincoln foi o outro a entrar, na vaga de Valdivia, que deixou o gramado sob aplausos da torcida.

Apesar do nervosismo do fim de jogo, o Palmeiras conseguiu parar o Mirassol, que agora vai atrás do título do interior (com Oeste, Ponte Preta e São Caetano), e se juntou aos outros três grandes do Estado na semifinal. Mas todos no clube sabem: será preciso jogar melhor que ontem para passar pelo Corinthians.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.