Palmeiras sabe que jogo vale 4 meses de trabalho

Líder durante boa parte do Estadual, time tem consciência que não pode bobear diante do [br]Mirassol no Pacaembu

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2011 | 00h00

O Palmeiras começou bem a fase de decisões e espera dar sequência a ela na noite de hoje no Pacaembu. De alto astral, o time quer seguir em paz com a torcida e precisa da vitória contra o Mirassol, a partir das 18h30.

Para aumentar o moral da equipe, o goleiro Marcos voltou a ser relacionado para uma partida, depois de mais de dois meses de afastamento - desde 6 de fevereiro, quando o Palmeiras perdeu do Corinthians por 1 a 0. O técnico Luiz Felipe Scolari lembrou que Marcos é importante dentro e fora de campo, por isso a volta. O goleiro, porém, deve ficar no banco de reservas.

O Palmeiras passou a maior parte do Campeonato Paulista na liderança e só a perdeu na última rodada, mas nem isso abalou o grupo. Pelo contrário. A derrota para a Ponte Preta em Campinas evitou que o confronto agora fosse contra a Portuguesa. Uma agremiação que, se não tem mostrado um bom futebol, ao menos tem tradição.

Na quinta-feira, o Palmeiras teve o Santo André pela frente, no jogo que valeu vaga nas quartas de final da Copa do Brasil. A vitória foi apenas por 1 a 0 e ninguém esconde que o time jogou mal. "São todos jogos bem equilibrados e, no domingo (hoje), vamos ter um adversário tão bem postado quanto o Santo André", disse Scolari.

Valdivia também imagina um rival fechado, apostando nos contra-ataques. Por isso, quer o Palmeiras se impondo desde o começo. "Fisicamente estamos ótimos e, como time grande, temos de nos impor. Sabemos que o Mirassol fez por merecer estar entre os oito, mas na hora em que o juiz apita o início da partida, eu tenho de dar a vida pelo Palmeiras", disse o chileno.

Os palmeirenses estão cientes que podem manchar tudo aquilo que construíram nos primeiros quatro meses do ano em apenas 90 minutos. "Vamos ter um jogo disputado e não temos mais nenhuma vantagem", lamentou o goleiro Deola.

De acordo com Valdivia, o Palmeiras deve esquecer o confronto de quinta-feira. "Agora, só temos um jogo para decidir. Não adianta jogar bonito e perder. O que interessa é o resultado."

Felipão deve mexer em dois setores hoje - a partida contra o Santo André causou baixas à equipe. João Vítor deve assumir a vaga de Cicinho na lateral direita e Leandro Amaro a de Thiago Heleno na defesa.

Surpresa. Na elite do futebol paulista desde 2008, o Mirassol o mata-mata pela primeira vez. O problema é que para seguir adiante terá de quebrar um jejum: nesses três anos, nunca venceu um dos quatro grandes - nas quatro vezes em que enfrentou o Palmeiras, perdeu dois jogos e empatou outros dois. Na primeira fase, o Alviverde ganhou por 1 a 0. Machucado, o zagueiro Gustavo Bastos é o desfalque e será substituído por Daniel Marques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.