Palmeiras sofre seu 1.º tropeço

Time de Luxemburgo não passa de empate, em casa, contra o Mirassol

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

26 de janeiro de 2008 | 00h00

O Palmeiras da noite de ontem lembrou muito aquele que Caio Júnior comandou em 2007: nervoso atuando em casa, errando passes, dando espaços ao adversário. Jogando mal, o time de 2008, treinado pelo vitorioso Vanderlei Luxemburgo, sofreu o primeiro tropeço. Não passou de empate por 2 a 2 com o Mirassol e chegou a 8 pontos no Paulista, na 3ª colocação. "Não tivemos a atenção adequada", lamentou o zagueiro Dininho. "Saímos com um gosto de derrota", completou Gustavo.É bem verdade que o Palmeiras não jogou no Palestra Itália (está em reformas e só deve ser liberado no dia 6), mas o desafio de ontem, em Barueri, foi de seu mando, com sua torcida.Valdivia, que ganhou mais destaque ultimamente por causa da forte marcação que tem recebido dos adversários em todos os jogos, quase foi o responsável pela vitória palmeirense. Malandro,jogou-se na área aos 33 minutos do segundo tempo, quando o placar apontava 1 a 1, e o árbitro Antônio Rogério Batista anotou pênalti. Alex Mineiro marcou, mas em seguida o time alviverde levou o empate final.O pouco comum horário das 20h30 de sábado não espantou os torcedores. Quase 7 mil palmeirenses foram à Arena Barueri e, desde o primeiro minuto do jogo, cantaram e vibraram com o time. Algumas vaias apenas no fim.Luxemburgo reconheceu a fraca atuação de seus comandados, mas minimizou as conseqüências do empate. "O Mirassol marcou bem, faltou um pouco mais de drible e ousadia para nós", comentou o treinador. "O ideal seria a vitória, mas temos elenco para brigar pelo título."O nervosismo, em muitos momentos, tomou conta do Palmeiras, ansioso em decidir rapidamente a partida. E tudo isso resultou em falta de atenção e liberdade aos adversários.Numa bola parada, o alívio. Aos 37 minutos, Élder Granja cobrou escanteio, Martinez desviou e o zagueiro Gustavo mandou a bola para as redes. O panorama, no entanto, pouco mudou. O segundo tempo palmeirense foi ainda pior que o primeiro. O time perdeu o comando do meio-campo, passou a errar passes fáceis e o Mirassol resolveu se arriscar mais ao ataque até chegar ao gol, com Montoya, aos 20.Valdivia, o centro das atenções, repetiu a atuação das rodadas anteriores. Marcado, recebeu muitas faltas, caiu bastante, mas não fugiu da responsabilidade em nenhum momento. E arrumou um pênalti para seu time, que Alex Mineiro cobrou com perfeição, aos 35.Perfeição que não foi seguida pelos companheiros. Uma bola perdida no ataque, saída rápida do Mirassol e gol de Léo Mineiro (aos 41), que havia acabado de entrar. "Pagamos um preço por nossa desorganização", lamentou o goleiro Diego Cavalieri, que teve boa tuação. Na quarta-feira, o Palmeiras vai até Piracicaba para enfrentar o Ituano, pela quinta rodada. E a torcida espera que os reforços Lenny e Diego Souza já estejam em campo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.