Palmeiras tem jogo ideal para vencer

Em seu palco preferido, a Arena Barueri, com grupo confiante e contra o Bahia, rival que está na zona do rebaixamento, time tem tudo para subir na tabela

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2012 | 03h05

Animado com a boa vitória sobre o Náutico na última rodada, o Palmeiras enfrenta o Bahia hoje, em Barueri, com o intuito de somar mais três pontos para se afastar de vez da parte de baixo da tabela e tentar dar início a uma sequência de bons resultados. O time não terá Valdivia. O chileno vai continuar no clube, mas sentiu dores na coxa esquerda no treino de ontem e foi vetado.

O palco do jogo desta noite, a Arena Barueri, caiu nas graças dos jogadores, mas não da torcida. O Palmeiras ocupa a modesta 16.ª colocação em relação ao número de torcedores presentes em estádios. Nos seis jogos como mandante, levou 41.219 torcedores, média de 6.870 pagantes por partida. Essa média é a pior do Palmeiras em Campeonato Brasileiro desde 2008

Um dos motivos do baixo público do clube na competição é o fato de os torcedores ainda estarem mais animados com a conquista da Copa do Brasil. Entretanto, o Coritiba, adversário na decisão, ocupa o 12.º na lista, com 11.033 pagantes, em média.

O problem em Barueri é a dificuldade em chegar e sair do estádio, principalmente em jogos noturnos, como o de hoje. A diretoria explica que a escolha tem questões técnicas e financeiras. O aluguel da arena é mais barata do que o do Pacaembu e o do Morumbi e a relação com a Portuguesa está estremecida, por isso o Canindé está descartado.

Apesar disso, em campo as coisas estão dando certo. A última derrota do Palmeiras no estádio foi no Brasileiro passado, para o Coritiba. "Acho que 99% do grupo prefere jogar na Arena Barueri. Ninguém gosta do Pacaembu, pois alguns veem como a casa do Corinthians e não se sentem bem lá", admitiu o lateral-esquerdo Juninho. "O estádio está dando sorte para nós. É bom continuarmos por lá mesmo."

Além do palco escolhido pelos jogadores, outro motivo que anima ainda mais a equipe para o jogo de hoje é a volta do atacante Barcos, recuperado de uma cirurgia no apêndice. Ele deve formar dupla de ataque com Obina, que fez um gol na última rodada e está cheio de moral. "Me sinto bem no Palmeiras e fico feliz em ver que o torcedor gosta de mim. Isso me motiva a tentar sempre fazer o melhor em campo."

O clima para o jogo é o melhor possível. Nem mesmo a polêmica sobre a possibilidade de Valdivia sair (mais informações nesta página) mexeu com o grupo. A boa fase faz Felipão manter a aposta nos jovens.

O zagueiro Wellington fará seu terceiro jogo consecutivo como titular e a cada partida conquista mais a confiança do treinador. "Ele (Felipão) me mandou subir para o ataque quando tiver oportunidade. Na base, gostava de fazer meus gols e esse pedido do treinador mostra o quanto ele confia no meu trabalho", comemora o garoto.

Felipão ainda não poderá contar com vários jogadores por causa de lesões. Román, Luan, Marcos Assunção, Wesley. Maurício Ramos, Thiago Heleno e Vinícius não têm previsão de volta,

Bahia. A estreia do técnico Caio Júnior é o fator motivacional para o Bahia hoje. Ele promove a entrada do atacante Ciro para fazer companhia ao centroavante Souza, ex-Corinthians.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.