Palmeiras vence a 3ª seguida e sonha com o G-3

Time bate Inter, por 2 a 0, com dois chutes certeiros de Marcos Assunção e entra na briga pela Libertadores

Daniel Akstein Batista, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2010 | 00h00

A noite de ontem na Arena Barueri foi de Marcos Assunção. Com dois chutes certeiros, o volante deu a vitória por 2 a 0 ao Palmeiras sobre o Internacional. O time que vinha em turbulência e cheio de indefinições chegou ao terceiro triunfo consecutivo e voltou a sonhar com uma vaga na Libertadores do ano que vem.

A partida de ontem foi uma espécie de afirmação. O adversário, atual campeão continental, vinha empolgado após vitória sobre o Corinthians, mas encontrou um Palmeiras bem postado em campo.

Os jogadores entraram na Arena para acabar com o mau retrospecto como mandante: foram três derrotas e um empate nas últimas quatro partidas no Pacaembu. Eles também começaram o jogo sem saber do futuro administrativo do clube. Salvador Hugo Palaia assumiu o Palmeiras no lugar do afastado Luiz Gonzaga Belluzzo (passou por cirurgia no coração anteontem) e já promoveu várias mudanças na diretoria de futebol. O grupo queria os três pontos para poder cobrar com moral a nova diretoria pelos salários atrasados.

Apesar de importantes desfalques (D"Alessandro, Índio, Nei e Tinga), o Inter começou melhor - Deola defendeu chute de Edu e Leandro Damião, sozinho, arriscou para fora. Logo o Palmeiras se encontrou e dominou o jogo.

Luiz Felipe Scolari não mudou o esquema que demorou para engrenar. Manteve quatro volantes no meio, com Valdivia adiantado, ao lado de Kleber.

O torcedor palmeirense pode comemorar, e não apenas por mais um triunfo. Pela segunda vez, o time jogou bem e repetiu a atuação do Rio, quando bateu o Flamengo por 3 a 1 no sábado. Bem postada, a zaga pouco levou susto, principalmente pela atuação dos volantes. Ainda falta um pouco de criação, mas aos poucos a equipe vai se acertando.

Um na barreira. Além da marcação, uma das armas palmeirenses está nos pés de Marcos Assunção. Exímio batedor de falta, ele errou a primeira chance. Na segunda, um pouco longe, o goleiro Renan deve ter se esquecido da qualidade do atleta e só colocou um homem na barreira. Aos 31 minutos, cobrança certeira e 1 a 0 no placar.

O Palmeiras seguiu no mesmo ritmo na segunda etapa. E, para azar de Renan, Marcos Assunção teve nova falta para cobrar. Desta vez, o goleiro armou a barreira com dois jogadores. Mas, quando a bola veio em sua direção e quicou, ele falhou. "A bola desviou e não consegui reagir rápido", tentou explicar.

A vitória podia ter sido mais elástica, se Kleber não desperdiçasse chance incrível. Agora o desafio é o clássico com o Santos, sábado, na Vila Belmiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.