Palmeiras: vitória no último lance

Time bate Lusa com gol de Preá aos 48 do 2.º tempo e assume a ponta

Daniel Akstein Batista e Giuliander Carpes, O Estadao de S.Paulo

27 de março de 2008 | 00h00

Jorge Preá disputou ontem seu terceiro jogo com a camisa do Palmeiras. E praticamente pôs o time na semifinal do Paulista ao marcar o gol da vitória sobre a Portuguesa por 1 a 0, aos 48 minutos do segundo tempo, no Palestra Itália. O Palmeiras assumiu pela primeira vez na temporada a liderança do Estadual, com 34 pontos - 3 a mais que o Guaratinguetá, que hoje visita o Mirassol. A Lusa tem 26. A classificação alviverde pode vir já no sábado, contra o São Caetano, também em casa.A campanha é boa, mas o Palmeiras ainda não mostrou futebol que o credencie ao título. Em várias das últimas 11 partidas de invencibilidade (10 no Estadual e 1 na Copa do Brasil), o time sofreu para conseguir a vitória (já são sete consecutivas). Falta, às vezes, uma boa apresentação, que empolgue a torcida. Sobram vontade e raça.O Palmeiras é brigador. Marcador desde seu setor ofensivo. Consegue muitas vezes criar as chances, pois aperta o adversário e rouba a bola. Numa delas, o volante Carlos Alberto vacilou e Léo Lima, que não descansa nunca e corre demais, ficou com a bola e tocou para Alex Mineiro chutar da entrada da área, com perigo. O camisa 9 palmeirense foi quem mais levou perigo. E, apesar de ser o artilheiro do time, com 9 gols, precisa calibrar mais o pé ­- perdeu dois gols incríveis, um em cada tempo de jogo.O Palmeiras sofreu com a marcação do oponente. O time do Canindé abusou das faltas, bateu, levou Valdivia ao chão em vários momentos. E tirou o técnico Vanderlei Luxemburgo do sério. Vágner Benazzi, treinador da Portuguesa, também mostrou irritação com a arbitragem. E foi à loucura após ver três jogadores de sua equipe levarem o cartão amarelo em menos de dois minutos.A ausência de Kléber (suspenso até o fim da primeira fase do Estadual por causa da cotovelada dada no são-paulino André Dias) foi sentida pelo Palmeiras. Seu substituto, Denilson, não consegue jogar bem quando entra desde o início do jogo - ele já havia decepcionado na partida contra a Ponte Preta, há duas semanas.Apesar de ter jogado na defesa, a Portuguesa assustou o goleiro Marcos. O jogo foi parelho, qualquer um dos times poderia ter saído com a vitória. Quis o destino que o gol fosse palmeirense. Que o gol fosse de Jorge Preá, que entrou no segundo tempo na vaga de Alex Mineiro. Aos 48, David mandou a bola na trave. Diego Souza pegou o rebote e a bola sobrou para Preá, que não perdoou. Festa no Palestra Itália!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.