Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Pâmela Rosa e Rayssa Leal fazem dobradinha brasileira no Mundial de Skate Street

Skatista de 20 anos fez manobra espetacular que lhe garantiu a primeira colocação na etapa de São Paulo; Kelvin Hoefler fica fora do pódio no masculino

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2019 | 19h43

As skatistas brasileiras Pâmela Rosa, de 20 anos, e Rayssa Leal, de apenas 11, fizeram uma dobradinha na etapa de São Paulo do Mundial de Skate Street, para delírio do público, que compareceu em peso a pista especialmente montada para o evento, no Anhembi. Pamela, que usou a camisa da seleção brasileira de futebol, ficou com a vitória e Rayssa foi a segunda colocada. A japonesa Aori Nishimura fechou o pódio da competição. 

Muito emocionada, Pamela dedicou a vitória ao tio, que faleceu na madrugada anterior. “Esse título significa muito para mim. Dedico ao meu tio Maninho, só venci hoje por causa dele”, disse a brasileira, sem conseguir segurar as lágrimas. "A torcida brasileira foi sensacional. Sem dúvida isso me deu força para encarar essa final e levar o título."

Rayssa Leal liderou a prova após cinco das sete descidas, quando Pamela assumiu a ponta com uma linda manobra que lhe rendeu 7,8 de nota, a maior de toda a decisão. "“Vim para cá para me divertir. Ter ficado em segundo lugar é como se fosse uma vitória mim. Estou muito, muito feliz”, festeja a 'Fadinha', como é conhecida a skatista de 11 anos. 

Como o evento dá 80 mil pontos ao campeão no ranking olímpico, os vencedores da etapa dão um passo importante para representar seu país nos Jogos de Tóquio-2020, no Japão. Dessa forma, Pamela e Rayssa deram um passo grande para garantir a presença na Olimpíada.

Masculino

Na decisão masculina da etapa de São Paulo do Mundial de Skate Street, Kelvin Hoefler — o único brasileiro presente na final deste domingo — terminou fora do pódio, na quarta colocação geral. O norte-americano Nyjah Huston, tricampeão mundial e dono de 12 medalhas de ouro no X-Games, terminou em primeiro lugar, o japonês Yuto Horigome ficou com a prata e e pelo português Gustavo Ribeiro, que conquistou o público no Anhembi, com o bronze.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.