Pan 2007: Obras no Rio recebem visita surpresa da Odepa

O mês de maio de 2007 foi o prazo final dado pela Organização Desportiva Pan-Americana (Odepa) para o Comitê Organizador dos Jogos do Rio 2007 entregar todos os aparelhos previstos à disputa da competição, que ocorrerá entre os dias 13 e 29 de julho. Nesta segunda, durante a visita ?surpresa? realizada pelo presidente da Comissão de Inspeção da entidade continental, Júlio Maglione, os preparativos receberam elogios, mas existe a ameaça de um revés: o Complexo de Deodoro, local das provas de hipismo, hóquei sobre grama, pentatlo moderno, tiro esportivo e tiro com arco. ?Tudo está sendo cumprido. Estou pessoalmente satisfeito. As obras do Autódromo (de Jacarepaguá) são excepcionais?, destacou o presidente da Comissão de Inspeção da Odepa. Maglione explicou que a ?visitinha surpresa?, na realidade, ocorreu porque ele é tesoureiro da Federação Internacional de Natação (Fina)e veio ao País para o I Mundial Júnior de Natação, no Parque Aquático Júlio de Lamare, que começa na quarta e vai até domingo. O presidente da Comissão de Inspeção da Odepa iniciou a avaliação pelo Complexo do Autódromo de Jacarepaguá. No local, considerada uma das construções mais atrasada dos Jogos, recebeu a promessa de que a arena poliesportiva (basquete e ginástica artística), e o parque aquático (natação, natação sincronizada e saltos ornamentais) estarão prontos em abril e março, respectivamente. Em seguida, foi para a Vila pan-americana. A inspeção prosseguiu no Estádio Olímpico João Havelange, no Engenho de Dentro (atletismo), na Marina da Glória (vela)e terminou o dia no Complexo do Maracanã, onde visitou o parque aquático (pólo aquático), o estádio (cerimônias de abertura e encerramento, além do futebol e chegada da maratona), e o ginásio do Maracanãzinho. O Maracanãzinho era outra preocupação da comissão por causa do atraso da obras. No dia 13, a Agência Estado revelou alguns problemas na reforma do ginásio, dentre eles, a dificuldade em aprovar um modelo de cadeira capaz de dar conforto ao torcedor. Nesta segunda, o diretor de engenharia da Superintendência de Desportos do Rio de Janeiro (Suderj), Fernando Pedroza, assegurou que o problema será amenizado. ?Faremos um prolongamento das arquibancadas, um acréscimo de 5 cm. Agora, vai ficar igual a um teatro ou cinema. Se alguém quiser passar, quem estiver sentado precisará levantar?, disse o engenheiro da Suderj. A previsão é a de que o ginásio seja entregue em março. Já o Complexo de Deodoro será inspecionado nesta terça e na última visita, em maio, deixou em alerta os avaliadores, porque ainda não estava em construção. Atualmente, as obras estão em estágio inicial e ainda aguardam uma licença da secretaria municipal de Urbanismo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.