Pan 2011: esgrimista brasileira cita descuido para explicar doping

Taís de Moraes Rochel alega medicamento tratamento o de asma

Valéria Zukeran, estadão.com.br

24 de outubro de 2011 | 18h38

GUADALAJARA - Por meio de um comunicado divulgado nesta segunda-feira por seu clube (Pinheiros), a esgrimista Taís de Moraes Rochel tentou explicar as circunstâncias de seu caso de doping, que a fez ser cortada da delegação brasileira um pouco antes da disputa do Pan de Guadalajara. Ela alega que tomou um bronco dilatador para tratamento de asma, sendo que o problema surgiu a partir da troca do medicamento.

"Eu viajo bastante para competir e essas variações de clima e ambiente são desfavoráveis para pessoas com doenças respiratórias. Nesse período, detectei que tenho uma doença crônica (asma). Durante a viagem para Porto Alegre, eu sofri uma crise muito forte e, nesse momento, me vi obrigada a recorrer ao remédio, sem pensar no que isso acarretaria. Sou muito bem orientada pelos médicos do Clube Pinheiros e da Confederação Brasileira de Esgrima, mas, em uma situação de emergência, cometi essa falha. Estou muito triste, mas com a consciência tranquila, já que sei que não agi de má fé ou para me beneficiar na competição", disse a esgrimista, através do comunicado.

Taís Rochel foi flagrada no exame realizado durante o Campeonato Brasileiro, entre os dias 22 a 25 de setembro, em Porto Alegre, quando ela conquistou o título no florete. Sua participação no Pan começaria nesta segunda-feira, na disputa do florete, mas foi cortada da delegação no último sábado.

Agora, a Confederação Brasileira de Esgrima e o Esporte Clube Pinheiros trabalham na defesa da atleta, para que ela possa participar do Pré-Olímpico da modalidade, em abril de 2012, no Chile.

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Pan 2011esgrimaTaís Rochel

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.