Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Pan: Delegação americana será forte, garante dirigente

No Rio para um encontro de chefes de missão, o americano Steve Roush confirmou nesta quinta-feira que os Estados Unidos vão trazer uma delegação ?forte? aos Jogos Pan-Americanos, com cerca de 600 atletas. O dirigente revelou que nas 13 modalidades que disputarão uma vaga na Olimpíada de Pequim, o país será representado por sua equipe principal. Já em outras, como a ginástica artística, usará um time misto e no basquete, tanto no masculino quanto feminino, serão relacionados atletas universitários. ?Os Jogos são importantes para o desenvolvimento de nosso esporte. Enviaremos ao Rio a maior delegação que os EUA já mandou a uma competição?, disse o chefe de missão norte-americano. ?Infelizmente não teremos os times principais de basquete, porque os jogadores da NBA e WNBA estão em preparação para Pequim. Seremos representados por atletas em idade universitária. A intenção é a de convocar as mulheres em maio e os homens em junho.? Roush ainda explicou que em esportes como a ginástica artística a intenção é a de dar experiência a jovens atletas, com o apoio de alguns experientes. O chefe de missão destacou que a expectativa ficará por conta das modalidades que classificam para Pequim. No total, 13 esportes darão vagas à China: atletismo, handebol, hipismo, hóquei sobre a grama, judô, natação, nado sincronizada, pentatlo moderno, pólo aquático, tênis de mesa, triatlo, tiro esportivo e tênis. Atletismo e natação, que ainda terão outras etapas seletivas para Pequim, podem ser as exceções da lista top americana. A tendência é a de que o time B dos EUA venha ao Rio. Nesta sexta será o último dia do encontro de chefes de missão dos 42 países que participarão dos Jogos Pan-Americanos do Rio. Até o momento, todos elogiaram em demasia a organização brasileira, assim como a qualidade das instalações em construção. Somente um detalhe foi reprovado tanto pelo chefe de missão americano quanto o cubano Alfredo Molina: o campo de beisebol. O equipamento ainda será erguido em uma instalação provisória na Cidade do Rock, em Jacarepaguá, zona oeste. ?O Rio já ganhou uma medalha de ouro pela organização. As instalações e a segurança são excelentes?, disse o chefe da missão cubana para, em seguida, alertar sobre o campo de beisebol. ?Estou convencido de que há atraso no beisebol. E os atletas de Panamá, EUA, Cuba e República Dominicana não jogam em terrenos que não tenham condições.? O presidente do Comitê Organizador dos Jogos (CO-RIO), Carlos Arthur Nuzman, disse que este tipo de reação é normal, mas assegurou que a instalação ficará pronta a tempo e com a qualidades exigida pelos atletas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.