Pan/2007: Rio já tem sua relíquia

Durante as obras para a Olimpíada de 2004, vários tesouros arqueológicos foram encontrados no solo de Atenas e, por vezes, as construções precisaram parar. E o Rio já deu sinais de que pretende seguir o exemplo grego ao colecionar a sua primeira ?relíquia? na preparação para Pan-Americano de 2007: uma adutora da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae) passando no meio do local escolhido para ser o Estádio Olímpico João Havelange, no Engenho de Dentro, zona norte."É um enorme duto passando no meio do lugar onde vai ser o campo do Estádio Olímpico, que não existia em nenhuma planta, nem mesmo da Cedae", explicou o secretário-geral do Comitê Organizador dos Jogos Pan-Americanos (CO-RIO), Carlos Roberto Osório. "É o nosso tesouro arqueológico", afirma, sorrindo. "Mas sabemos como solucionar o problema."O "tesouro arqueológico" carioca tem 800 mililitros de diâmetro, um quilômetro de extensão e sua função é a de abastecer de água potável a região do bairro de Engenho de Dentro. Por causa de sua importância, a solução encontrada foi a de desviar a adutora para as ruas vizinhas ao Estádio Olímpico.De acordo com o presidente da Empresa Municipal de Urbanização (Riourbe), João Luiz Reis da Silva, o projeto para o desvio da tubulação já foi aprovado pela Cedae e a previsão é a de que as obras de correção comecem no final de julho e demorem aproximadamente três meses para serem concluídas. Caso o prazo não seja cumprido, a construção do João Havelange, que ainda não foi prejudicada pelo inesperado obstáculo, corre o risco de ser interrompida."Foi uma surpresa achar essa tubulação aqui, porque geralmente as adutoras estão embaixo de ruas ou calçadas", contou o presidente da Riourbe. Ressaltou que a justificativa para o ?tesouro? não aparecer em qualquer planta da região pode ser o fato de anteriormente o terreno do estádio ter sido utilizado por vários anos como uma oficina, além de abrigar galpões de depósito de uma empresa de trens.Apesar do empecilho, o presidente da Riourbe assegurou que o João Havelange ficará pronto, como previsto, em dezembro de 2006. O Estádio Olímpico atualmente é a obra mais adiantada dos Jogos Pan-Americanos de 2007. Do total de R$ 202 milhões necessários para a sua construção, R$ 87 milhões já foram investidos nesta primeira etapa de construção. No local, com capacidade para 45 mil pessoas, podendo ser ampliado para 60 mil, ocorrerão as disputas de atletismo.E a partir desta segunda-feira, o Rio receberá pela segunda vez uma visita de inspeção dos avaliadores da Comissão Desportiva Pan-Americana (Odepa). O grupo iniciará a ronda pelas construções da Vila Pan-Americana, na Barra da Tijuca, zona oeste, em seguida, vão ao João Havelange, Maracanã e terminarão o dia se encontrando com a governadora do Rio, Rosinha Garotinho, no Palácio Guanabara, em Laranjeiras, zona sul. Na terça, se reúnem com o prefeito carioca Cesar Maia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.