Para COB, Brasil foi bem

Apesar do menor número de medalhas de ouro e da queda no ranking, o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) considerou positiva a participação brasileira em Pequim. Carlos Arthur Nuzman, presidente da entidade, citou como exemplo a presença em 38 finais e 29 disputas diretas pela medalha de ouro. Em Atenas-2004, foram 30 finais e 17 disputas.Nuzman afirmou que "para se ter uma evolução qualitativa é preciso mais recursos". Segundo ele, foram investidos R$ 160 milhões, R$ 70 milhões a mais do que em Atenas. "Esta Olimpíada foi mais aberta", disse, referindo-se aos 87 países que conquistaram ao menos uma medalha. Os destaques nacionais, segundo Nuzman, foram a primeira medalha do tae kwon do, os três recordes olímpicos e a primeira medalha de ouro na natação, o primeiro pódio feminino na vela e no judô, além da chegada às finais na ginástica artística, no vôlei feminino, no salto com vara e no revezamento 4x100 m. Para Nuzman, o "Brasil caminha para ser uma potência olímpica", mas terá de passar por correções de rumo, como a presença de um psicólogo em cada delegação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.