Para Mano, vitória reafirma 'trabalho correto'

Jogo contra Suécia marcou o início da reta final de preparação para a Copa e Mano descarta chamar outros veteranos

MATEUS SILVA ALVES , ENVIADO ESPECIAL / ESTOCOLMO, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2012 | 03h08

Mano Menezes chegou à Suécia tratando com frieza as especulações sobre sua demissão e saiu do país exatamente do mesmo jeito. O treinador da seleção garante que não se sente menos pressionado por causa da vitória de ontem porque não se sentia assim antes do amistoso. Segundo ele, o resultado não muda absolutamente nada, apenas reforça sua certeza de que seu trabalho está sendo feito da maneira correta.

"O que a seleção fez hoje (ontem) me deixa mais convicto do que estamos fazendo, e não mais aliviado, pois eu não me deixo levar por essas coisas (as críticas de torcedores e jornalistas)", falou Mano. "Uma equipe que venceu todos os jogos não pode pagar por uma derrota. Quando as coisas estão firmes, você só tem de voltar a fazer as coisas que vinha fazendo."

A preleção do treinador gaúcho antes do amistoso de Estocolmo foi uma boa amostra de seu apego ao pragmatismo, segundo ele mesmo contou. Mano poderia ter feito um discurso inflamado para motivar seus jogadores a dar tudo em campo para calar os críticos, ou mesmo implorar a seus comandados para que jogassem por ele. Pois o técnico não fez nada disso, apenas deu as instruções táticas de sempre e recomendou a seus atletas que jogassem normalmente, sem tentar fazer nada fora do padrão.

"Eu não pedi nada em particular para eles", falou o treinador. "Não pedi que jogassem por isso ou por aquilo, mas que mostrassem aquilo que era necessário para ganhar a partida contra a Suécia."

O amistoso de ontem foi, conforme o próprio Mano admitiu, o início da reta final de montagem da equipe para a Copa do Mundo de 2014. Até sábado, o treinador teve de dividir suas atenções entre o time principal e o olímpico, mas agora que isso não é mais necessário ele pode se preocupar apenas em reduzir suas opções até chegar aos 23 jogadores que defenderão a seleção no Mundial organizado pelo Brasil.

Contra a Suécia, Mano colocou em campo uma mistura de jogadores da Olimpíada com outros mais velhos (seis atletas foram convocados especialmente para esse jogo). Embora a seleção obviamente tenha ganho experiência, ela continuou bastante jovem, e o treinador disse ontem que essa é uma tendência que deverá ser mantida até a Copa do Mundo.

"Não tenho a intenção de introduzir mais jogadores de idade mais alta no grupo", falou o gaúcho. "A mescla que eu desejo ver é essa que foi feita na Suécia. Eu não tenho preocupação com idade, experiência não é ser velho, é ter vivido muitas coisas no futebol."

O próximo amistoso da seleção será já no próximo dia 7, no Morumbi, contra a África do Sul, no Morumbi. A convocação será feita no fim da semana que vem, no Rio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.