Felipe Oliverira/Divulgação
Felipe Oliverira/Divulgação

Para os jogadores do Corinthians, o que vale é o ponto ganho

'De um lado foi ruim, pois tivemos muita posse de bola, mas criamos pouco. Estamos levando um ponto, está bom', afirmou o meia Danilo

O Estado de S.Paulo, O Estado de S.Paulo

30 de julho de 2012 | 03h06

Os jogadores do Corinthians não quiseram admitir que tiveram mais um tropeço no Campeonato Brasileiro. Apesar de muitos reconhecerem a superioridade em Salvador, preferiram o discurso politicamente correto, por vezes um mal no futebol, e saíram de campo comemorando o ponto somado.

"De um lado foi ruim, pois tivemos muita posse de bola, mas criamos pouco. Estamos levando um ponto, está bom", afirmou o meia Danilo.

Ou seja, ele admitiu que não foi bem, já que a criação de jogadas é uma de suas atribuições. "Faltou criar mais chance, acertar o passe final", diagnosticou.

Apesar de falar em falta de criação, num lance no qual a equipe conseguiu envolver a forte marcação em toques de primeira, foi ele que errou o alvo na cara de Marcelo Lomba. Logo Danilo, que costuma se destacar pelo frieza na hora de anotar os gols. Ontem, preferiu dar os méritos ao arrojo do goleiro do Bahia.

"O importante é somar pontos, se acostumar a não perder fora e fazer ponto. Não foi ruim", falou Jorge Henrique.

Assim como Danilo, o lateral Alessandro podia garantir os três pontos em Salvador - errou um lance fácil por cobertura - mas optou por comemorar o 16.º ponto conquistado. "O título ainda está aberto para muitos. E fora de casa empate não é ruim. Temos de fazer o dever em casa e dar uma beliscadinha nas visitas", discursou. "O mais importante é que somamos um ponto", enfatizou.

Ignorou a fragilidade dos rivais, já que Tite imaginava a soma de quatro pontos nos próximos dois jogos o que obriga a equipe, para cumprir sua meta, a ganhar do Vasco em São Januário, na quarta-feira.

Ter de fazer metas curtas de muitos pontos se faz necessário por causa da obrigação de se recuperar da péssima largada na competição, quando o time se via envolvido na Libertadores.

O volante Ralf foi quem mais reconheceu o fracasso. "Não foi bom, queríamos os três pontos, mas o Bahia suportou bem na defesa e conseguiu neutralizar nossa equipe." / F.H.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.