Divulgação / Miami Hurricanes
Divulgação / Miami Hurricanes

Para renovar seu público, NFL investe em atividades para crianças

Liga do futebol americano realiza série de ações voltadas ao público infantil na cidade que recebe o Super Bowl LIV

Wilson Baldini Jr., enviado especial a Miami, O Estado de S.Paulo

30 de janeiro de 2020 | 11h00

Durante toda a semana que antecede a disputa do Super Bowl, entre San Francisco 49ers e Kansas City Chiefs, marcado para domingo, a NFL, maior liga de futebol americano dos Estados Unidos, programou uma série de atividades no Miami Beach Convention Center para as crianças.

Durante todas as manhãs, várias turmas de escolas públicas de Miami são levadas gratuitamente para o enorme galpão de cerca de 50 mil metros quadrados, onde todos os estudantes podem tentar um ponto extra de até 30 jardas, fazer um arremesso de várias posições do gramado improvisado, além de ver fotos, uniformes e vídeos históricos de grandes jogadores que marcaram época no esporte preferido dos norte-americanos.

Os jovens também brincam com os mascotes das equipes, recebem souvenirs e camisetas promocionais, além de lanche na hora do almoço. Tudo isso a NFL faz com a intenção de renovar o público do futebol americano. Com as atividades, a liga desperta o interesse de meninos e meninas com a modalidade.

No período da tarde desses dias, o local e suas ações promocionais são abertos para o público em geral, que paga US$ 60, o equivalente a R$ 254, pela entrada e ainda gasta muito mais dinheiro em produtos dos dois times finalistas do Super Bowl LIV. Com o dólar estimado em R$ 4,60 uma camiseta oficial das equipes pode sair por quase R$ 800,00, enquanto um agasalho chega a incríveis R$ 920,00. A procura é grande. Os torcedores fazem filas para ver os produtos.

Apesar dos valores, os produtos deverão estar esgotados até o momento do início do jogo, domingo à noite (horário de Brasília). "Se você vir aqui na segunda-feira, só vai encontrar prateleiras vazias", disse Rita Mackenzie, uma das caixas do complexo esportivo.

* Repórter viajou aos EUA a convite da ESPN, transmissora oficial da NFL

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.