Para reviver bons tempos e celebrar uma nova era

Sob o comando de Hélio Rubens e Cláudio Mortari, esporte faz festa com Jogo das Estrelas

Amanda Romanelli, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

Eles são testemunhas de tempos de glórias e de dificuldades do basquete. Mas hoje, na condição de hors-concours, acompanham a tentativa de renascimento da modalidade para a qual dedicaram suas vidas. Hélio Rubens Garcia, de 68 anos, e Cláudio Mortari, de 60, são os técnicos mais experientes dentre os 15 que trabalham no Novo Basquete Brasil (NBB), o primeiro Nacional masculino organizado por uma liga independente. Em reconhecimento às trajetórias vitoriosas, foram escolhidos como comandantes das equipes que, nesta tarde, estarão no All Star Game tupiniquim.O Jogo das Estrelas será realizado às 13 horas, no Ginásio do Maracanãzinho, no Rio - antes, haverá o Torneio de Enterradas e de Arremessos de 3 Pontos, a partir das 10 horas. Os atletas que formarão as equipes nomeadas como Ubiratan e Rosa Branca, em homenagem aos campeões mundiais que morreram em 2002 e 2008, respectivamente, foram definidos pelo voto popular, na internet.Os técnicos, não. Até porque os currículos recheados validam a escolha feita pela organização da festa. Hélio Rubens, de Franca, é dono de 15 títulos brasileiros e, como técnico da seleção, revelou Nenê, Leandrinho, Anderson Varejão e Tiago Splitter. Cláudio Mortari, do Pinheiros, foi campeão mundial pelo Sírio, em 1979, e apostou em Marcel e Oscar no time nacional."Até gostaria que tivesse acontecido a votação, mas fiquei gratificado. Se fosse outro em meu lugar, vibraria do mesmo jeito, porque o importante é o sucesso da Liga", diz Hélio Rubens, técnico da equipe Ubiratan, que terá Chuí, de Araraquara, como auxiliar. "É um reconhecimento muito legal às nossas histórias", concorda Cláudio Mortari, do time Rosa Branca - Lula Ferreira, treinador do líder Brasília, será o auxiliar.A partida também marca o fim do primeiro turno do NBB, depois de 14 jogos disputados. Os técnicos comemoram os primeiros resultados do Nacional da "reunificação". "É um campeonato equilibrado, de bom nível técnico. Não é possível apostar quem será o principal candidato ao título", destaca Hélio Rubens. Hoje, seguiriam para os playoffs Brasília, Flamengo, Joinville, Limeira, Franca, Minas, Bauru e Assis. Para Mortari, o jogo de hoje dará ao torcedor a oportunidade de estreitar laços com a modalidade. "Nós continuamos a jogar basquete, mas de uma maneira muito escondida nos últimos anos. Essa partida será importante para que a torcida conheça os atletas que estão em atividade", avalia. Boa chance de acompanhar jovens talentos e jogadores da seleção, como o ala Marcelinho Machado e o pivô Rafael Baby, ambos do Flamengo, o armador Alex Garcia, de Brasília, e o pivô Murilo, do Minas.CARREIRASCláudio Mortari Idade: 60 anos Clube atual: Pinheiros Clubes que comandou: Palmeiras, Continental, Sírio, Corinthians, Pirelli/Santo André, Telesp, Cesp/Rio Claro, Report/Mogi, Mackenzie e Flamengo Títulos mais importantes: Campeão mundial interclubes com o Sírio (1979). Com a seleção, foi tri sul-americano e campeão pan-americano juvenil. Conquistou o 5.º lugar na Olimpíada de Moscou (1980). Hélio Rubens Garcia Idade: 68 anos Clube atual: Vivo/Franca Clubes que comandou: Franca, Vasco e Uberlândia Títulos mais importantes: Como jogador, pentacampeão da Taça Brasil por Franca, tetracampeão sul-americano, ouro nos Jogos Pan-Americanos de Cali (1971) e 3.º lugar no Mundial do Uruguai (1967) pela seleção. Como técnico, 9 vezes campeão brasileiro de clubes, bi sul-americano e campeão dos Jogos Pan-Americanos de Winnipeg (1999) pela seleção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.