Para Robinho, saída de bola mais rápida fez a diferença

Mesmo apagado durante embate com a Costa do Marfim, Robinho estava animado com o resultado. "Hoje tivemos uma vitória da equipe. A classificação antecipada era o que queríamos e, portanto, estamos contentes."

Jamil Chade, enviado especial a Johannesburgo, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2010 | 00h00

Para o atacante do Santos, a diferença entre o primeiro e o segundo jogo do Brasil foi que, na partida de ontem, "conseguimos que a saída de bola fosse mais rápida e isso fez toda a diferença na vitória".

Robinho já joga a responsabilidade sobre a Espanha, provável adversária do Brasil nas oitavas de final. Ontem, o ex-atacante do Real Madrid deixou claro que os espanhóis, apesar da derrota contra os suíços, continuam sendo os favoritos para levar a Copa do Mundo. "A Espanha tem a seleção mais forte da Copa e continua sendo a favorita", afirmou. Este já está sendo considerado um jogo fatal nas oitavas de final. Tanto que a estrela argentina Messi declarou esperar que as duas seleções "se matem" logo nesta fase.

Para Brasil e Espanha se enfrentarem logo na próxima rodada, basta a Suíça terminar como primeira do grupo da seleção de Xavi, Iniesta e Torres. O sorteio da tabela da Copa previa que espanhóis e brasileiros se enfrentassem apenas na decisão, no caso de serem primeiros de seus grupos. Mas, com a possibilidade de a Espanha ficar em segundo, esse encontro pode ser antecipado. Questionado se gostaria de evitar a Espanha nas oitavas, Robinho deixou claro que, numa Copa, não se pode fazer esse tipo de previsão. "Não temos como escolher adversários num Mundial", disse.

Para a próxima partida, contra Portugal, Robinho insiste que o Brasil jogará para ganhar - mesmo que isso signifique enfrentar os campeões europeus já na próxima fase. "O Brasil sempre joga para ganhar. Não podemos nem pensar de outra maneira", disse.

Sobre sua atuação discreta no jogo de ontem, principalmente no segundo tempo, Robinho evitou comentar - ele procurou dar poucas declarações aos jornalistas brasileiros presentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.