Para Rubinho, favorita ainda é a equipe Red Bull

Piloto brasileiro defende que o carro é melhor e os dois pilotos são muito bons; vitória de Alonso parece menos provável

, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2010 | 00h00

Os equipamentos das equipes, da FIA e da Formula One Management (FOM), detentora dos direitos comerciais da Fórmula 1, já estão em Interlagos para a disputa do GP do Brasil, prova que pode dar a Fernando Alonso, da Ferrari, seu terceiro título mundial. Os outros dois foram conquistados em São Paulo também, em 2005 e 2006, pela Renault. Mas para Rubens Barrichello, da Williams, o mais experiente piloto da história da Fórmula 1, com 304 participações em GPs, a vantagem de Alonso na classificação não lhe garante a conquista.

"A frase pode parecer absurda: a Red Bull só não ganha o campeonato se ela perder. Explico: eles têm o melhor carro, dois pilotos muito bons. Perdem se eles baterem, o carro quebrar...", diz Rubinho. Não esconde sua preferência, sem deixar de reconhecer a extraordinária capacidade de reação da Ferrari, cujo título parecia perdido. "Torço pelo Webber. O Vettel é um amigo, gosto muito dele, é sempre respeitoso na pista, mas terá outras chances. Já o Webber não sei se a terá." O australiano tem 34 anos, já fala em se retirar, e Vettel apenas 23.

A atropelada de Alonso, com 4 vitórias, um segundo e um terceiro nas últimas sete etapas, não surpreendeu Rubinho. "Há três meses falei que o Alonso poderia vencer. Mas não há carro sem piloto e piloto sem carro", afirmou, para explicar que quando a Ferrari encontra o caminho e o piloto certos para desenvolver o carro são muito capazes. De 2000 ao fim de 2005 o atual piloto da Williams foi companheiro de equipe de Michael Schumacher na Ferrari e em 2002 e 2004 acabou vice-campeão.

Quanto à McLaren e à Red Bull praticarem jogo de equipe em Interlagos, diante do fato de as duas terem dois pilotos mais bem colocados na classificação, Rubinho comentou: "Dependerá da opção deles. Se querem o título de pilotos ou de construtores." Webber, segundo na classificação, está 11 pontos atrás de Alonso, mas seu parceiro, Vettel, 25. E Lewis Hamilton, da McLaren, terceiro, tem 21 pontos a menos do espanhol enquanto o parceiro, Jenson Button, 42.

O amigo Felipe Massa está fora dessa luta pelas razões apontadas por ele mesmo, segundo Rubinho. "Adaptação do estilo de pilotar às características dos pneus, eu também já passei por isso." Rubinho não espera que a Williams o confirme para 2011 antes do fim da temporada. A equipe perderá seus dois principais patrocinadores, Royal Bank of Scotland e Philips, e a escolha do parceiro de Rubinho depende do dinheiro que levar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.