Para silenciar Sonnen, Jon Jones luta para manter cinturão no UFC 159

Campeão dos meio-pesados encara compatriota neste sábado, em New Jersey

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2013 | 16h27

SÃO PAULO - O jovem Jon Jones é considerado por muitos fãs de MMA um dos maiores lutadores da atualidade. Com apenas 25 anos, o norte-americano coloca em jogo, na noite deste sábado, seu cinturão dos pesos-meio-pesados pela 5.ª vez consecutiva no UFC - marca alcançada apenas por Tito Ortiz até hoje. O duelo, em Newark, Nova Jersey, nos Estados Unidos, será contra seu compatriota Chael Sonnen.

Muitas expectativas marcam o evento, que encerra a 17.ª edição do The Ultimate Fighter dos Estados Unidos, cujos técnicos foram justamente Jones e Sonnen. Primeiro porque a briga entre ambos está sendo adiada desde setembro de 2012, quando o atual campeão dos meio-pesados se recusou a lutar contra o adversário falastrão no lugar de Dan Handerson, que havia se machucado na época e teve de abandonar o combate. Segundo porque, pelo menos no Brasil, os norte-americanos têm angariado fãs e críticos ferozes há tempos.

Com duas passagens pelo País, Jon Jones caiu no gosto popular principalmente depois de bater o carioca Vitor Belfort no UFC 152, no ano passado. Mesmo lutando contra um brasileiro, ele fez bonito em cima do octógono, vencendo o ex-dono do título da categoria por finalização. Não por acaso, Belfort insiste para que Dana White lhe dê a chance da revanche.

Se Jon Jones conquistou o público brasileiro, Chael Sonnen fez exatamente o contrário. Em diversas ocasiões, ele disparou críticas ao País, sobretudo antes da derrota para Anderson Silva, em julho de 2012, pela categoria dos médios. "Anderson Silva costuma se curvar diante de seus adversários após as lutas. Ele não vem dessa cultura. No Brasil, se você faz isso, leva um tapa na cabeça e tem a carteira roubada", disse Sonnen.

Ainda criticado por muitos fãs do UFC por não ter aceitado lutar contra Sonnen no passado, Jon Jones quer provar na noite deste sábado que é definitivamente o melhor de sua categoria, mas também "calar" o adversário falastrão. "Estou muito animado para bater Chael. Na última vez que fui ao Brasil, fiz uma promessa de que iria batê-lo", revelou Jones ao Lance!.

Polêmicas e rivalidades à parte, o UFC 159 também promete boas lutas entre o inglês Michael Bisping, que vem de derrota para Belfort, e o norte-americano Alan Belcher, - eles fazem o segundo principal duelo da noite -, e entre o brasileiro Vinny Magalhães e Phill Davis, que também se enfrentam no card principal.

Tudo o que sabemos sobre:
ufcmmajon joneschael sonnen

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.