Para sobreviver, Comercial negocia ginásio e estádio

Clube ganharia arena multiuso para 20 mil pessoas e o pagamento da dívida atual, de cerca de R$ 12 milhões

Brás Henrique, O Estadao de S.Paulo

18 de abril de 2009 | 00h00

O mesmo grupo de investidores que negocia a compra do Estádio Brinco de Ouro, do Guarani, agora quer o Ginásio Poliesportivo e o Estádio Francisco de Palma Travassos, do Comercial. Em troca, o clube ganharia uma arena multiuso para 20 mil pessoas, no valor de R$ 27 milhões, além do pagamento da dívida atual, de cerca de R$ 12 milhões. Também receberia uma ajuda durante a construção, para buscar o acesso à Série A2.Segundo o representante dos investidores, Luiz Carreira Torres, o empreendimento que implodiria o estádio seria "um novo marco na cidade", com torres empresariais e corporativas, além de residenciais de luxo, um shopping de luxo, um hotel e possivelmente um hospital. O novo empreendimento imobiliário custaria cerca de R$ 500 milhões e o acordo deve ser fechado até o fim de maio.Uma carta de interesse foi entregue à diretoria do Comercial na quinta-feira. "Agora vamos levantar a dívida, avaliar o patrimônio do clube e encaminhar a proposta para o Conselho Deliberativo", informou o presidente do Comercial, Eduardo Mauro Baptista. Um entrave que poderia atrapalhar o projeto seria o leilão do estádio (avaliado em cerca de R$ 32 milhões) e do poliesportivo (R$ 15 milhões) para o pagamento de dívidas trabalhistas. Ambos foram leiloados em 2008 e, também, na sexta-feira. Mas não houve interessados. Baptista quer esperar as avaliações e não fala em números. Mas Torres cita que após o término da negociação (os investidores só seriam anunciados na assinatura do contrato) levaria seis meses para a tramitação do projeto executivo na Prefeitura e mais um ano para as obras. "A ideia é que o estádio fique pronto em 2011, quando o Comercial completará 100 anos", avisa Torres.O local de construção do novo estádio seria uma área perto da Rodovia Anhanguera, que o clube já tem em vista há algum tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.