Paraguai x Japão, pelo voo mais alto

O vencedor do pouco badalado confronto de hoje chegará pela primeira vez às quartas de final numa Copa

Antero Greco, Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2010 | 00h00

ENVIADOS ESPECIAIS

JOHANNESBURGO

Paraguai e Japão são dois patinhos feios da Copa. Mas um deles ultrapassará no mínimo nova barreira no caminho de virar cisne e firmar-se como destaque da competição na África. O vencedor do duelo de hoje em Pretória terá garantida presença nas quartas de final, proeza inédita para ambos. O ponto máximo que paraguaios e japoneses alcançaram foi a fase de oitavas.

Os dois times já proporcionaram surpresas neste Mundial e estão no lucro. Os sul-americanos chamaram a atenção pelo fato de terem ficado em primeiro lugar no Grupo F, à frente da campeã e eliminada Itália. Os asiáticos correram por fora, no E, vencido pela Holanda, e seguiram adiante ao bater a Dinamarca por 3 a 1 na terceira rodada.

A façanha inflou a autoestima dos rivais do duelo marcado para o Loftus Versfeld, às 11 horas. Um e outro já não se contentam de ter passado de turno. A ambição é atropelar Portugal ou Espanha e alcançar as semifinais. Depois, na pior das hipóteses, brigar pelo terceiro lugar. Para quem sempre foi coadjuvante, se trata de glória insuperável.

"Temos condições de seguir na briga", avisa Gerardo Martino, argentino que há várias temporadas dirige o Paraguai e responsável por levar o time à quarta Copa consecutiva. "Não nos contentaremos com pouco."

O Paraguai, porém, precisa superar avareza ofensiva, característica impregnada em seu estilo de jogo. Nas três primeiras apresentações, marcou apenas três gols - nos 2 a 0 contra a Eslováquia e no empate por 1 a 1 com a Itália. Ainda empatou com a Nova Zelândia por 0 a 0.

Para mostrar que não faz retórica, Martino aposta em três jogadores de frente: o veterano Roque Santa Cruz, do Manchester City, além de Lucas Barrios e Nelson Valdez, que formam dupla no Borussia Dortmund.

O Japão não deixa por menos em sua pretensão. O técnico Takeshi Okada aposta no entrosamento como alternativa para evitar que a América do Sul tenha um quarto representante na próxima etapa do torneio. "Vamos mostrar para nossa torcida que nada é impossível", afirma Keisuke Honda, o astro do time.

Paraguai x Japão

PARAGUAI: Villar, Bonet, Da Silva, Alcaraz, Morel Rodríguez, Vera, Riveros

Ortigoza, Roque Santa Cruz, Valdez, Barrios. Técnico: Gerardo Martino

JAPÃO: Kawashima, Komano, Nakazawa, Tulio Tanaka, Nagatomo, Hasebe Abe, Endo

Okubo, Honda, Okazaki. Técnico: Takeshi Okada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.