Paris recebe melhor avaliação para 2012

O Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou nesta segunda-feira o relatório final de avaliação das 5 cidades que são candidatas a ser sede da Olimpíada de 2012. E a francesa Paris parece ter saído na frente, apesar da espanhola Madri, da inglesa Londres e da norte-americana Nova York ainda estarem firme na disputa. Enquanto isso, a russa Moscou ficou mais longe da vitória.A eleição da cidade vitoriosa acontecerá exatamente daqui a um mês, no dia 6 de julho, em Cingapura. Os 117 membros do COI terão direito a voto secreto para definir a sede dos Jogos de 2012 - a próxima Olimpíada, em 2008, será em Pequim, na China.O relatório de 123 páginas divulgado nesta segunda-feira não classifica as cidades candidatas. Mas faz elogios e críticas, depois das visitas feitas pela comissão de avaliação entre fevereiro e março. Foram avaliados fatores técnicos, como instalações esportivas, transportes, hospedagem, segurança, financiamento e apoio popular e governamental. E Paris, que já era considerada favorita, só recebeu elogios da comissão de avaliação, sem nenhuma crítica.?Hospedagem de primeira?, ?Infra-estrutura de transporte ampla e com qualidade? e um projeto ?bem documentado? foram alguns dos elogios feitos à cidade francesa pela comissão do COI.Londres também foi elogiada, assim como Madri e Nova York, mas com algumas ressalvas. No caso inglês, a preocupação é com o sistema de transportes e com a conclusão de tão grande projeto dentro do tempo necessário. Para a candidatura espanhola, o problema apontado é a falta de hotéis - teriam que ser usadas instalações de cidades vizinhas. E para os norte-americanos, a maior crítica é quanto ao estádio olímpico, muito caro (US$ 2 bilhões) e ainda sem garantias de que ficará pronto.Já Moscou parece não ter mais chance de ganhar a eleição, depois da divulgação do relatório nesta segunda-feira. Mesmo porque, o documento diz que a cidade russa não apresentou direito os detalhes de sua candidatura, o que não permitiu uma avaliação adequada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.