Parque Olímpico é o coração dos Jogos

Projeto para revitalizar região leste de Londres, o área abre as portas na sexta-feira, 27

Paulo Favero, ENVIADO ESPECIAL / LONDRES, O Estado de S.Paulo

26 de julho de 2012 | 03h07

Maior investimento britânico nos Jogos, o Parque Olímpico abre oficialmente nesta sexta-feira, 27, e custou aos cofres públicos, segundo estimativas, 3,3 bilhões de libras - o equivalente a R$ 10,04 bilhões. Os valores oficiais não foram divulgados. O projeto foi erguido em Stratford, bairro da região leste de Londres, em uma área de 2,5 km². O governo entendeu que seria o melhor local para se levantar toda a estrutura e o estádio principal de competição, por se tratar de uma área que estava abandonada, do ponto de vista do poder público.

O Parque Olímpico fez parte de um projeto para desenvolver o leste da cidade, mas desde o início das negociações para sua instalação os problemas surgiram. Muitos moradores tiveram de se mudar do local, mais de 200 microempresas precisaram ser remanejadas e um grande prédio foi derrubado para dar lugar à Vila Olímpica, onde ficam hospedados os atletas e que, após os Jogos, vai se tornar moradia da classe média alta. A especulação imobiliária também chegou à região, que ganhou uma valorização enorme.

Um dos argumentos usados pelo governo inglês é que o solo do lugar onde foi instalado o Parque estava contaminado - as obras só começaram após a descontaminação. Além do Estádio Olímpico, com capacidade para 80 mil pessoas (após a competição, será reduzido para 25 mil), o local conta ainda com o Centro Aquático, a pista de BMX, a arena de basquete, o velódromo, o estádio de hóquei sobre grama, a arena de polo aquático, a quadra de handebol e o espaço do pentatlo moderno.

Já a Vila Olímpica foi criada por 16 arquitetos diferentes e, justamente por isso, cada prédio tem uma característica própria. São 2.818 apartamentos e mais de 16 mil camas para os atletas, que se revezarão para ocupar aquele espaço. Quando uma equipe é eliminada ou uma modalidade tem sua competição encerrada, os jogadores precisam sair para dar espaço a outros. Como parte da decoração, as camas possuem edredons temáticos e após sua participação, os atletas poderão levar para casa, como um souvenir.

Além de toda a estrutura física para a competição, o Parque conta ainda com um grande centro de imprensa, bares, restaurantes e espaços privilegiados para os patrocinadores. De um local para outro, internamente, muitas vezes o trajeto pode ser feito por ônibus da organização, de dois andares. À porta do complexo também foi construído um grande shopping, considerado o maior da Europa, para fazer com que os turistas tenham ainda mais entretenimento entre um evento e outro. E o acesso principal se dá pelo Javelin, um trem-bala que liga uma estação central ao local - o centro esportivo mundial nas próximas duas semanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.