Timothy A. Clary / AFP
Timothy A. Clary / AFP

Patriots, de Tom Brady, derrota Rams e conquista sexto Super Bowl

Jogo foi marcado por defesas fortes, mas estrela aparece e decide no último quarto

Gonçalo Júnior, O Estado de S. Paulo

04 Fevereiro 2019 | 01h20

A decisão do Super Bowl 53 consolidou a dinastia do New England Patriots, liderado pelo quarterback Tom Brady. Responsável por comandar todas as jogadas ofensivas de seu time e conhecido no Brasil por ser marido da modelo Gisele Bündchen, o jogador de 41 anos foi decisivo na vitória do Patriots sobre o Los Angeles Rams, por 13 a 3, no Mercedes-Benz Stadium, em Atlanta, nos EUA.

Em sua nona decisão, Brady chegou a sua sexta conquista (2002, 2004, 2005, 2015, 2017 e 2019). Ele é maior campeão da NFL, superando Charles Haley. Nenhum quarterback jogou tantas edições de Super Bowl quanto o astro do Patriots. É o único jogador da história eleito quatro vezes como MVP (jogador mais valioso) até a decisão de ontem. No duelo entre a experiência de Brady e a juventude Jared Goff, estrela do Rams, prevaleceu a sabedoria do astro. Antes do final, boa parte dos 70 mil fãs gritavam “Brady”. Gisele Bündchen acompanhou a partida nos camarotes e vibrou muito com o desempenho histórico do marido.

O time do New England Patriots iguala a marca histórica do Pittsburgh Steelers como maior vencedor da Liga, com seis conquistas.

Foi um jogo em que as defesas levaram ampla vantagem sobre os ataques. O placar de 3 a 0 para a equipe do Patriots, antes do intervalo, teve o menor número de pontos desde a edição de 1975. Naquele ano, a equipe dos Steelers marcou 2 a 0 para cima dos Vikings em 1975. Além disso, esta edição foi a primeira da história sem um touchdown, o grande momento da modalidade, nos três primeiros quartos. Ele só ocorre na metade do último quarto.

O JOGO

A equipe do New England Patriots começou com domínio do jogo, mas sofreu com dois erros inesperados: Tom Brady foi interceptado na primeira tentativa de passe e Stephen Gostkowski chutou para fora na linha das 45 jardas. O time não pontuou nas duas primeiras campanhas da partida. Com isso, o primeiro quarto terminou com predomínio total das defesas e o placar de 0 a 0. Fraca atuação de Tom Brady, que poderia ter sido interceptado mais uma vez.

 

Os primeiros pontos dos Patriots foram marcados apenas no segundo quarto. Gronk foi derrubado na linha de 42 jardas. No field goal, Stephen Gostkowski abriu o placar ao acertar o "Y" de maneira "chorada". Restando dois minutos, New England Patriots estava praticamente na metade do campo. O time teve volume de jogo, mas a defesa do Los Angeles apareceu nos momentos decisivos. Por outro lado, a equipe não conseguiu grandes avanços no ataque. Em função do grande trabalho das duas defesas, o placar de 3 a 0 antes do intervalo teve o menor número de pontos desde a edição 9 do Super Bowl disputado em 1975. Naquele ano, a equipe dos Steelers marcou 2 a 0 para cima dos Vikings em 1975.

No terceiro quarto, as defesas continuaram prevalecendo. Patrick Chung, safety dos Patriots, recebeu atendimento e teve de deixar o campo de maca. O defensor, que fez um bom primeiro tempo, foi uma ausência sentida. Uma dos destaques foi wide receiver Julian Edelman, que fez um belo segundo tempo.

Faltando 3 minutos e 20 segundos para o final do terceiro quarto, Jared Goff foi derrubado por Dont'a Hightower. Los Angeles Rams consegue converter o field goal de 53 jardas. Jogo empatado por 3 a 3. A partida atingiu um marca curiosa: das 18 posses de bola, foram 12 punts, lance em que um time não consegue avançar o necessário e devolve a bola para o adversário o mais longe possível de sua “área protegida” (end zone).

O primeiro touchdown do Super Bowl aconteceu na metade do último quarto com Sony Michel para o New England Patriots. O placar marcava 10 a 3. Faltando 4 minutos e 24, Brandin Cooks teve a oportunidade de fazer o touchdown, mas a defesa dos Patriots conseguu impedir a recepção.

Faltando pouco mais de um minuto, Gostkowski chutou o field goal e aumentou a vantagem para 13 a 3. O título estava garantido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.