Paulistas devem dominar o GP de Judô

Os clubes paulistas devem confirmar seu favoritismo na segunda rodada do I Grand Prix Nacional de Judô, que será disputada de amanhã até domingo, no ginásio do Clube Pinheiros, em São Paulo. Após a primeira rodada, no último final de semana, no Rio, o São Caetano lidera a classificação do Grand Prix, com seis pontos. Minas Tênis (MG) e São Paulo dividem o segundo lugar, com quatro pontos. Pinheiros e Flamengo estão na quinta posição, com três. Barueri (SP), Gama Filho (RJ) e Sogipa (RS) também participam da competição. Os confrontos entre Pinheiros x Sogipa e Flamengo x São Caetano abrem as lutas da segunda rodada, a partir das 14 horas. Os quatro melhores clubes classificam-se para a fase semifinal, que será disputada em quatro rodadas. A primeira delas, na próxima semana, acontecerá no ginásio do terceiro colocado. Contando com os principais judocas do país, as equipes enfrentam-se em cinco categorias (meio-leve, leve, meio-médio, médio e pesado), ao invés das sete previstas nas competições oficiais internacionais. Edelmar Zanol (São Paulo), Marcos Sabino, Henrique Guimarães, Tiago Camilo, Carlos Honorato (São Caetano), Luciano Corrêa (MInas) e João Derly (Sogipa) são alguns dos destaques do torneio. Reclamações - Apesar de sediar a segunda etapa da competição, o Pinheiros não poupa críticas à Confederação Brasileira de Judô pela fórmula de disputa do Grand Prix. A principal reclamação se deve ao fato de o campeonato ser disputado em cinco e não sete categorias. "A CBJ alegou contenção de despesas, mas isso nivela a competição por baixo", afirmou Arnaldo Luiz Queiroz, diretor de esportes individuais e aquáticos do Pinheiros. "Algumas equipes não têm atletas suficientes para participar de todas as categorias e foram beneficiadas com a medida." Queiroz entende que a decisão da Confederação também pode desestimular alguns competidores. "A iniciativa de se organizar o Grand Prix é muito boa, mas pode não premiar o investimento que o Pinheiros e outros clubes de ponta fazem no judô." Outra crítica do dirigente à entidade é a possibilidade do empréstimo de atletas. "Isso cheira a casuísmo", disse, prometendo, no entanto, empenho de seu clube na disputa. "O Pinheiros tentará se organizar da melhor maneira possível para se adaptar à fórmula da competição." Nos últimos dez anos, Pinheiros e São Caetano têm se revezado na liderança das disputas estaduais e nacionais entre clubes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.