Luis Robayo/AFP
Luis Robayo/AFP

Paulo André é prata nos 100m rasos no Pan; Vitória Rosa ganha o bronze

Brasil conquista mais duas medalhas no atletismo nos Jogos de Lima

Paulo Favero, enviado especial a Lima, O Estado de S.Paulo

07 de agosto de 2019 | 20h03

Nas provas mais nobres da velocidade do atletismo, Paulo André conquistou a medalha de prata nos 100m rasos, atrás apenas do norte-americano Michael Rodgers nos Jogos Pan-Americano de Lima. Já Vitória Rosa foi bronze na disputa feminina, atrás da jamaicana Elaine Thompson (ouro) e de Michelle-Lee Ahye, de Trinidad e Tobago (ouro).

Paulo André marcou 10s16 na prova, não conseguindo superar a barreira história dos 10 segundos para um brasileiro. O recorde de Robson Caetano já tem mais de 30 anos e o velocista tem se aproximado, mas não conseguiu ainda superar. O clima nos Jogos Pan-Americanos de Lima, frio e úmido, não ajuda nas provas rápidas.

"Derrubar a barreira dos 10 segundos é um dos objetivos que tenho. Toda prova que entro é para fazer essa marca. Querendo ou não, deixou de ser um sonho e é uma realidade hoje. Não deu desta vez, mas vou continuar treinando para batê-la", disse o atleta, que espera ajudar sua equipe a bater o recorde sul-americano no revezamento 4 x 100m rasos.

A prova teve uma queimada de largada e o primeiro tiro não valeu. O brasileiro Rodrigo Nascimento tinha largado bem, mas não valeu. Na segunda largada, ele foi pior. "Tentei me recuperar, mas foi difícil", comentou o atleta, que acabou na quarta posição. Já Paulo André explicou que a segunda largada não o atrapalhou e ele fez seu melhor.

"Infelizmente não deu. Vim para ouro e fiquei insatisfeito com o resultado, mas saio feliz com a prata. A gente tem tudo para aprender e ir para a próxima. Acho que fiz uma boa prova, dei meu máximo, mas ele foi melhor que eu e tenho de respeitá-lo, pois é um grande velocista", disse.

Já na prova feminina, a brasileira Vitória Rosa acabou na terceira posição com o tempo de 11s30. A campeão foi a experiente Elaine Thompson, que marcou 11s18 no cronômetro. "Estou feliz pelo resultado, mas sei que posso chegar ainda mais longe", avisou a atleta brasileira festejando seu bronze.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.