Alex Silva/AE
Alex Silva/AE

Paulo Miranda 'renasce' no Morumbi

Zagueiro, que chegou a ser afastado do time pela diretoria, conquista a confiança de Ney Franco e dos companheiros

FERNANDO FARO, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2012 | 03h08

Paulo Miranda vive um carrossel de emoções no São Paulo. O zagueiro contratado nesta temporada já experimentou a fúria da torcida e sentiu na pele a intervenção da diretoria, que o afastou dos duelos contra a Ponte Preta na Copa do Brasil com intuito de "preservá-lo''. Teve seu futuro colocado em dúvida após a saída de Emerson Leão, seu maior defensor, mas aguentou firme e em silêncio à espera de uma oportunidade. Dois jogos como titular e o defensor, visto por muitos como possível candidato a ser negociado com outro clube, renasceu.

Improvisado como lateral-direito contra o Bahia, ele foi um dos principais nomes da equipe, se destacou tanto no apoio quanto na contenção e tomou definitivamente a posição de titular de João Filipe. A boa atuação - quase coroada com um golaço de cobertura (Marcelo Lomba defendeu) - ganhou elogios até mesmo do técnico Ney Franco, que não economizou. "Ele foi muito bem taticamente, fez uma boa cobertura e ganhamos uma boa opção também pela lateral direita", comentou.

A atuação agradou tanto que o treinador estuda mantê-lo na equipe para o clássico contra o Corinthians. Como Douglas deve estar de volta e também atua pelo lado esquerdo, ele pode optar por escalá-lo na vaga do suspenso Cortez e deixar Paulo Miranda na direita, atuando como lateral quando tiver a bola nos pés e como zagueiro quando o São Paulo estiver sendo atacado. "É uma das variações que penso, sim. O Paulo foi muito bem, mas ainda não quero falar sobre escalação. Essa opção definitivamente passa pela minha cabeça. Vamos ver como o Douglas se comporta e se teremos condições de utilizá-lo."

Ney Franco vem tendo um contato especial com o defensor. Assim que assumiu o time, o chamou para uma conversa reservada e reiterou seu desejo de mantê-lo no grupo para a temporada. Desde então não havia tido muitas oportunidades, mas se destacou nas últimas partidas e o Tricolor não levou gols nos 180 minutos em que atuou.

A melhora foi percebida até mesmo pelos companheiros de zaga, que antes sofriam com os avanços de João Filipe. "O Paulo se encaixou bem com a gente na defesa. Ele é um cara sério e que dá o sangue pelo time, acho que estávamos precisando um pouco dessa vontade dele em campo", elogiou Rhodolfo.

Tímido e reservado, Paulo Miranda prefere manter a discrição que o caracteriza desde que chegou ao Morumbi. Nas poucas entrevistas que deu desde que foi contratado, diz que o episódio do seu afastamento é coisa do passado. Caso mantenha o nível das atuações, frequentar o banco de reservas voltará a ser uma realidade distante para ele.

Em alta. Mesmo improvisado na lateral direita, Paulo Miranda foi muito bem contra o Bahia e deve ser mantido por Ney Franco.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.