Reuters
Reuters

Pedrosa realiza operação 'agressiva' no antebraço direito

Cirurgia teve duas horas de duração e foi bem-sucedida

Estadão Conteúdo

03 de abril de 2015 | 11h54

O espanhol Dani Pedrosa, um dos pilotos da Honda na MotoGP, foi submetido nesta sexta-feira a uma cirurgia em Madri para corrigir um problema persistente em seu antebraço direito. A operação teve duas horas de duração e foi bem-sucedida, segundo os responsáveis pela cirurgia.

De acordo com a Honda, Pedrosa vai ter "alta hospitalar em poucas horas", depois de dar entrada no local no início desta sexta-feira. O médico Angel Villamor, que operou Pedrosa, declarou quer a cirurgia deve corrigir "uma condição dolorosa".

"A cirurgia foi complicada e agressiva, usando uma técnica de microcirurgia e lentes microscópicas. Durou duas horas, e foi feita sob anestesia local. Examinamos a fáscia do músculo, que estava hipertrofiada e teve de ser aberta e liberada. A fáscia muscular foi dissecada e removida do antebraço. Este aumento do volume ingurgitado do músculo dentro da fáscia inelástica resultava em aumento da pressão dentro do compartimento, causando uma condição dolorosa da privação de oxigênio, causando intensa dor no antebraço durante os exercícios", explicou o médico.

Pedrosa voltou a sofrer com problemas de síndrome compartimental do antebraço direito durante a disputa da etapa de abertura da temporada 2015 da MotoGP, realizada no último domingo, no Catar. O problema parecia já resolvido, mas voltou a aparecer na primeira corrida do ano e motivou o piloto a passar por nova cirurgia.

Prejudicado pelo problema, que é caracterizado pelo aumento da pressão no interior de músculos, nervos e vasos sanguíneos, Pedrosa terminou a corrida em sexto lugar depois de ter largado do segundo posto. Antes de voltar a sentir incômodo nesta prova, o piloto já havia operado o mesmo antebraço no ano passado, após prova realizada em Jerez de la Frontera, na Espanha.

Após ser operado em 2014, Pedrosa não conseguiu pilotar no seu melhor nível na continuidade da temporada passada, mas médicos desaconselharam o piloto a fazer nova operação. Com as dores sentidas no circuito de Losail, no último final de semana, Pedrosa voltou a procurar especialistas em Barcelona e Madri, e desta vez a recomendação foi para que fosse operado o mais rápido possível.

Pedrosa está previsto para ficar afastado das pistas por um período entre quatro e seis semanas, o que vai deixá-lo de fora das etapas das Américas e da Argentina da MotoGP. Durante o processo de recuperação, o espanhol será substituído pelo japonês Hiroshi Aoyama, que vai correr ao lado também espanhol e campeão mundial Marc Márquez.

Desde a sua estreia na MotoGP em 2006, Pedrosa venceu 26 provas. No entanto, nos últimos anos, a sua luta para conquistar o título mundial vem sendo afetada por várias lesões. "Vamos agora acompanhar Dani ao longo das próximas semanas para medir o sucesso da cirurgia", concluiu o médico que operou o piloto espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.