Pega ladrão! Roubos na Vila quebram a tranqüilidade

Três camareiras foram presas ontem por pegar objetos de atletas. Até computador portátil já tentaram levar

Robson Morelli, O Estadao de S.Paulo

21 de julho de 2007 | 00h00

Feita para abrigar e proteger os 5.500 atletas e membros da comissão técnica dos 42 países credenciados para os Jogos, a Vila Pan-Americana já não é mais tão segura assim. Em nota oficial distribuída ontem, o Comitê Organizador informou que três camareiras contratadas de uma empresa terceirizada para trabalhar no local foram flagradas com objetos roubados dos residentes. Além de detidas pela polícia, elas perderam o emprego por justa causa.As camareiras tinham acesso a todos os quartos de um dos blocos residenciais da Vila, onde somente pessoas autorizadas podem circular. O esquema só foi descoberto porque soldados da Força Nacional de Segurança desconfiaram das moças e pediram para revistar suas mochilas. De acordo com o Co-Rio, as três foram presas em flagrante e conduzidas ao 16° DP, na Barra da Tijuca.Os organizadores dos Jogos preferiram não entrar em detalhes sobre o ocorrido - não foi revelado os nomes nem a nacionalidade das vítimas -, mas sabe-se que não foi o primeiro caso de roubo na casa dos competidores do Pan. Domingo, o faxineiro Jackson Vitor da Silva Ferreira, de 21 anos, havia sido detido por tentativa de furto. Ele tinha um computador portátil numa bolsa que não lhe pertencia.Na conta extra-oficial, cerca de 10 pessoas deixaram a Vila pelo mesmo motivo, todas funcionárias da empresa contratada pelo Co-Rio para prestar serviços de faxina e arrumação nos apartamentos. Os objetos mais cobiçados eram tênis, agasalhos, telefones celulares e uniformes de competição. Cubanos, mexicanos e norte-americanos seriam as principais vítimas. Os furtos sempre ocorriam nos horários de treinamento das equipes.Cerca de 7 mil pessoas circulam diariamente pela Vila, entre atletas, representantes dos países, funcionários, voluntários e policiais. O responsável pelo local é o ''''prefeito'''' Paulo Laranjeira, que não quis prolongar o assunto. ''''Essas coisas sempre acontecem em lugares que circulam muitas pessoas.''''A segurança na Vila foi reforçada. E se no Pan alguns furtos foram registrados, no Rio como um todo, a Delegacia de Atendimento ao Turista informa que do dia 13 ao 17 o número de roubos foi de 17 e de furtos de 19 - 50% mais baixo que no mesmo período do ano anterior.A polícia do Rio se preparou para a violência fora da Vila nesse Pan. Desde início dos Jogos, estão na ativa 4.261 policiais civis, 8.763 policiais militares, 3 mil agentes da Polícia Federal e mais 6 mil soldados da Força Nacional de Segurança.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.