Pela tabela, uso de muitos atletas afeta o conjunto

O número de jogadores utilizados em cada clube ajuda a explicar a diferença de desempenho das equipes no Campeonato Brasileiro. A grosso modo, times bem entrosados mexem menos em suas escalações e, por isso, têm mais jogadores que não completaram os sete jogos (os atletas ficam no banco e só entram em último caso, para não prejudicar o conjunto).

O Estado de S.Paulo

21 de setembro de 2012 | 03h06

Os clubes de Minas ilustram bem esse raciocínio: o Atlético, vice-líder do Brasileiro, tem 11 jogadores abaixo do limite de partidas; o Cruzeiro, quatro. O técnico Celso Roth fez tantas experiências em busca do time ideal que a equipe cruzeirense patina na 8ª colocação. No Rio, Fluminense e Flamengo retratam a situação. "O ideal é fazer uma ou duas alterações por jogo. Mais do que isso é prejudicial para o entrosamento", receita o técnico Cuca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.