Pelé: pena deve ser o ressarcimento

Mesmo que seja comprovado que a Pelé Sports & Marketing não honrou seu compromisso com o Unicef, deixando de organizar um evento beneficente para o qual teria sido paga, é bem provável que, no máximo, a empresa tenha de ressarcir os prejuízos causados. É essa a opinião de Ivan Agostinho, promotor da Vara de Execuções Criminais da capital paulista.Leia mais no Jornal da Tarde

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.