Penalber se diz ansioso por lutar em casa no 1º Mundial

Victor Penalber mal aparecia no ranking mundial quando foram definidos os judocas que iriam aos Jogos de Londres/2012. Ele aproveitou bem as etapas do Circuito Mundial realizada sem os principais nomes da categoria até 81kg, se consolidou com bons desempenhos neste ano, e chega ao Mundial do Rio, aos 23 anos, como número 1 do ranking e com boas chances de ajudar o Brasil a liderar o quadro de medalhas.

AE, Agência Estado

25 de agosto de 2013 | 15h28

O judoca, que é natural do Rio, cresceu bairro da Tijuca, vizinho ao Maracanãzinho, palco do evento. Agora, comemora a chance de disputar em casa o seu primeiro Mundial, mas não nega a ansiedade.

"É um cenário que eu nunca ia imaginar. Chegar novo à primeira posição do ranking e lutar meu primeiro Mundial na minha cidade, o Rio de Janeiro. Se eu tivesse que sonhar, eu não mudaria nada. Estou bastante ansioso, bastante animado. Apesar de ser novo, estou mais amadurecido por conta das últimas viagens e competições e me sinto bastante preparado para lutar uma competição desse nível", disse Victor.

Outra estreante da seleção brasileira tem uma ligação forte com o Rio. Katherine Campos é pernambucana, mas está morando na capital fluminense há quatro anos, defendendo o Flamengo.

"Eu já me sinto um pouco carioca mas sem nunca esquecer minhas raízes pernambucanas. Lutar aqui vai ser muito bom porque minha família vem para cá, meus amigos vão estar todos aqui, além, é claro, de toda a torcida brasileira. Então, eu espero ir lá, dar o meu melhor e conseguir ir o mais longe que eu puder. De preferência, conquistar uma medalha", disse Katherine.

Tudo o que sabemos sobre:
judôRioMundial de Judô

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.