Pepe, ex-ponta do Santos

"Devo o início do meu namoro ao Corinthians. Foi depois de uma goleada, por 6 a 1, durante o tabu, que comecei a namorar minha esposa. Fiquei animado com o resultado e ganhei coragem. Joguei no Santos de 1955 a 1969. Portanto, participei de todo o período do tabu. O time do Santos jogava na preocupação do Corinthians. Os jogos eram muito duros, mas eles acabavam, depois de quatro, cinco anos sem vitória sobre a gente, sentindo o peso da responsabilidade de buscar o resultado e cometiam erros. A diretoria do Corinthians, desesperada com o tabu e com a falta de títulos, contratava muitos jogadores. A equipe não conseguia conjunto, enquanto a nossa atuava junto havia mais de dez anos. A rivalidade com o Corinthians sempre foi muito grande, pois temos muitos corintianos em Santos. Talvez isso tenha ajudado a gente a entrar sempre muito firme contra o Corinthians. Eu não participei do jogo da queda do tabu. Quem jogou foi o Edu. Vi pela televisão. No dia seguinte, na Vila Belmiro, os jogadores aceitaram a derrota pacificamente. Sabíamos que um dia a casa teria de cair. E caiu."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.