Pernambucano realiza sonho em São Paulo

Severino Jerônimo Pereira, 52 anos, saiu de Paulista, interior de Recife, no dia 26 de dezembro para realizar um sonho: representar pela primeira vez seu Estado na São Silvestre. Na bagagem, trouxe a fantasia de caboclinho e uma lança. "Corro desde criança e sempre quis mostrar ao Brasil o folclore da minha terra", disse Pereira. Pelas ruas de Paulista, terra do jogador Rivaldo, Severino treino diariamente cerca de 25 quilômetros por dia. "Tem dias em que saio daqui e vou até a Ilha de Itamaracá, o trajeto é lindo. Basta atravessar uma ponte." Quando não está correndo, Severino trabalha como motorista de uma escola pública em Paulista. Mas o que ele mais gosta mesmo é de correr. "É pura adrenalina." Para São Silvestre, fez uma alimentação especial, a base de rapadura e caldo de cana. "É a minha fórmula preferida para ganhar energia", brincou. O pernambucano não veio só. Em um ônibus fretado, trouxe mais 44 amigos. "É uma farra só, aqui todo mundo corre para se divertir. Sempre foi nosso sonho correr esta prova. Nem mesmo a viagem cansativa nos desaninou, fazemos qualquer coisa pelo esporte", falou Severino. Se vale qualquer sacrifício para participar da prova mais tradicional do País, os amigos finlandeses Anssi Muikku, 27anos e Mikko Halowen, 30 anos entenderam o espírito da prova. De férias no Brasil há dois dias, eles resolveram "participar da grande festa brasileira." A mãe de Anssi, porém, alertou o filho. "Ela disse para eu não arranjar uma nora brasileira", contou Anssi. Com uma máquina fotográfica antes da prova, os amigos passearam pela Avenida Paulista e divertiram-se fotografando os corredores folclóricos. "É tudo muito engraçado", disse Mikko. E não esconderam a admiração pelas mulheres brasileiras: "são muito bonitas e gostaríamos de conhecê-las", disseram. A duas horas da prova, ambos circularam de papete (sandália) e meias nos pés. "Se vamos correr assim? Seria divertido, mas vamos voltar ao hotel para buscar os nossos tênis", falou Mikko. Quem também foi prestigiar a prova, foi a prefeita Marta Suplicy, que fez questão de cumprimentar os atletas da categoria especial (portadores de deficiência). "Estamos todos muitos felizes com a nossa cidade, na véspera da comemoração dos 450 anos. Vim prestigiar os portadores de deficiência e também incentivar os nossos brasileiros." Questionada por um repórter se ela não tinha vontade de participar da prova, a prefeita disse: "gostaria muito, mas não tenho a mesma forma física deles."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.